A percepção dos pacientes hemodialíticos frente à fístula arteriovenosa

Luzivania da Costa Cabral, Fabio Rodrigues Trindade, Fernanda Matos Fernandes Castelo Branco, Luciana Stanford Baldoino, Maria Luzinete Rodrigues da Silva, Eliana Campêlo Lago

Resumo


Este estudo tem como objetivo descrever e analisar a percepção de pacientes hemodialíticos frente à Fístula arteriovenosa (FAV). Estudo descritivo com abordagem qualitativa realizado em uma clínica localizada no Estado do Piauí. Os sujeitos foram 20 (vinte) pacientes com quadro de Insuficiência Renal Crônica. Os dados foram coletados por entrevista semiestruturada no mês de novembro de 2011. Evidenciou-se que a maioria dos pacientes tem um sentimento de conformismo perante a FAV, levando à uma alteração da autoimagem, ocasionando sentimentos negativos e comprometimento das relações sociais; que as alterações causadas pela FAV ocasionam mudanças na cotidianidade como o abandono de atividades laborais e de lazer, levando a sentimentos de inutilidade e incapacidade; e um bom vínculo entre a equipe de enfermagem e os pacientes. Portanto, torna-se imprescindível um olhar holístico da enfermagem, com a intenção de adaptá-los da melhor forma frente aos desafios  atuais oriundos da patologia.


Palavras-chave


Fístula arteriovenosa. Insuficiência renal crônica. Enfermagem.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRUNHEIRO, L. M. M. A satisfação com o suporte social e a qualidade de vida no doente após transplante hepático. 2005. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0255.pdf. Acesso em: 10 nov. 2011.

ANGERAMI CAMON, V. A. et al. E a psicologia entrou no hospital. São Paulo: Pioneira, 1998.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1979. 229 p.

BARROS, E. et al. Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamentos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BORGES, Z. N. A construção social da doença: um estudo das representações sobre o transplante renal. In: LEAL, O. F. Corpo e significado: ensaios de antropologia social. Porto Alegre: Editora UFRGS, 1995. 361-77 p.

CARREIRA, L.; MARCON, S. S. Cotidiano e trabalho: concepções de indivíduos portadores de insuficiência renal crônica e seus familiares. Revista Latino-Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 11, n. 6, nov./dez. 2003.

CUKER, G. M. As dimensões psicológicas da doença renal crônica. 2010. 16f. Monografia (Graduação em Psicologia)- Universidade do Extremo Sul Catarinense, Criciúma. 2010. Disponível em: http://www.bib.unesc.net/biblioteca/sumario/000044/0000440B.pdf. Acesso em 14 nov. 2011.

DINIZ, D. P. Aspectos psicológicos envolvidos nos pacientes com patologias renais. In: BARROS, E. et al. Nefrologia: rotinas, diagnóstico e tratamentos. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. cap. 39.

DYNIEWICZ, A. M.; ZANELLA, E.; KOBUS, L. S. G. Narrativa de uma cliente com insuficiência renal crônica: a história oral como estratégia de pesquisa. Revista Eletrônica de Enfermagem, Goiás, v. 6, n. 2, p. 199-212, 2004.

GEORGE, J. B. Teorias de Enfermagem: fundamentos para a prática profissional. 4. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GOUVEIA, V. V.; SINGELIS, T.; COELHO, J. Escala de auto-imagem: comprovação da sua estrutura fatorial. Revista de Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 1, n. 1, p. 49-59, 2002.

GUALDA, D. M. R.; LIMA, A. F. C. Processo Saúde-Doença: o significado da hemodiálise para o paciente renal crônico. In: GUALDA, D. M. R.; BERGAMASCO, R. B. Enfermagem, Cultura e Processo Saúde-Doença. São Paulo: Ícone, 2004. Cap. 17.

KÜBLER ROSS, E. Sobre a morte e o morrer. São Paulo: Martins Fontes. 1994.

KOEPPE, G. B. O.; ARAÚJO, S. T. C. A percepção do cliente em hemodiálise frente a fístula arteriovenosa em seu corpo. Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 21, n. suplemento, p. 147-51, 2008.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 27. ed. Petrópoles, RJ: Vozes, 2008.

RAMOS, I. C. et al. Portador de insuficiência renal crônica em hemodiálise: significados da experiência vivida na implementação do cuidado. Acta scientiarum. Health sciences, Maringá, v. 30, n. 1, p. 73-79, 2008.

REIS, C. K.; GUIRARDELLO, E. B.; CAMPOS, C. J. G. O indivíduo renal crônico e as demandas de atenção. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 61, n. 3, jun. 2008.

REIS, E. M. K. et al. Percentual de recirculação sanguínea em diferentes formas de inserção de agulhas nas fístulas artério-venosas, de pacientes em tratamento hemodialítico. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 41-50, 2001.

SESSO, R. C. C. et al. Censo Brasileiro de Diálise de 2009. Jornal Brasileiro de Nefrologia, São Paulo, v. 32, n. 4, out./dez. 2010.

SILVA, D. M. G. V. et al. Qualidade de vida de pessoas com insuficiência renal crônica em tratamento hemodialítico. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 55, n. 5, p. 562-567, set./out. 2002.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE NEFROLOGIA – SBN. Censo 2009 – 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 de Jun. 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Volumes Anteriores Impressos

 

INDEXADA EM: