Perfil epidemiológico de vítimas de acidente vascular encefálico em um hospital de referência do Ceará/Brasil

Jonas Loiola Gonçalves, Elisabeth Silva Feitosa, Rafaele Teixeira Borges

Resumo


Analisou o perfil epidemiológico de pacientes vítimas de Acidente Vascular Encefálico em um hospital de referência no Ceará/BR. Pesquisa documental, descritiva com abordagem quantitativa, com coleta de dados em 53 prontuários, foram averiguadas as seguintes variáveis: gênero, faixa etária, tipos de AVE, tipos de AVE por gênero, procedência, principais sequelas e os fatores de risco. Os resultados evidenciam que 27 (51%) das vítimas eram do gênero masculino, a idade  compreendida de 61 a 70 anos. Quanto aos tipos de AVE 50(94%) foram acidente vascular encefálico isquêmico. As sequelas em sua predominância prevalenceram em hemiparesia, hemiplegia, afasia e disfagia. Os fatores de riscos mostraram que a HAS, Sedentarismo e outros episódios de AVE são potenciais preditores. Nota a possibilidade de conhecimento a cerca do perfil do grupo estudado e os fatores relevantes que levam ao AVE, possibilitando atitudes frente a prevenção de novos casos e novas formas de promoção à saúde.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, E. Migração rural urbana agricultura familiar e novas tecnologias. Coletânea de Artigos Revistos. Brasília – DF; EMBRAPA informação tecnológica. 2006. Disponivel em: http://www.agroexata.com.br/imgs/974c428bd33f6e5a68963cd457fde147.pdf.

ALMEIDA, M. A., et al. Ocorrência de doenças Cardiovasculares e Pulmonares em pacientes com Artrite Reumatóide. Rev. Fisioter. Sau. Func. Fortaleza, v. 1, n. 2, jul/dez. 2012. Disponivel em:http://www.fisioterapiaesaudefuncional.ufc.br/index.php/fisioterapia/article/view/163/pdf.

BARBOSA, M. A. R., et al. Prevalência da hipertensão arterial sistêmica nos pacientes portadores de acidente vascular encefálico,atendidos na emergência de um Hospital publico terciário. Rev. Clin. Med.v.7, p.357-360, 2009. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2009/v7n6/a001.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Dicas em saúde, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Linha de Cuidados em Acidente Vascular Cerebral (AVC) na rede de Atenção às Urgêrncias e Emergências. 2013. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/images/pdf/2014/abril/03/pcdt--linha-cuidado-avc-rede-urg-emer-2012.pdf.

CARVALHO-FILHO, E. T.; PAPALÉO-NETO, M. Geriatria fundamentos, clínica e terapêutica. 2. Ed.São Paulo: Atheneu, 2006.

CORREIA, A. C. S. et al. Crioterapia e cinesioterapia no membro superior espastico no acidente vascular cerebral. Fisioter. Mov. Curitiba, v.23, n.4, p.555-553, out/dez. 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v23n4/a06v23n4.pdf.

COSTA, F. A.; SILVA, D. L. A.; ROCHA, V. M. Estado neurológico e cognição de pacientes pós- acidente vascular cerebral. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v.45, n°5, p.1083-8, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n5/v45n5a08.pdf.

SANTOS, C. J. G. Oficina da pesquisa. Disponível em http://www.oficinadapesquisa.com.br/APOSTILAS/METODOL/_OF.TIPO_PESQUISA.PDF.

FALCÃO, I. V., et al. Acidente Vascular cerebral precoce: implicações para adultos em idade produtiva atendidos pelo Sistema Único de Saúde. Rev. Bras. Saú. Marten. Infant., Recife, v.4, n°1, p.: 95-102, jan/ mar.2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbsmi/v4n1/19985.pdf.

FERNANDES, M. B.i, et al. Independência funcional de indivíduos hemiparéticos crônicos e sua relação com a fisioterapia. Curitiba/PR. Rev. Fisioterapi. Mov. v. 25, n°.2. abr/jun, 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/fm/v25n2/v25n2a11.pdf.

FREITAS, E. V.; PY, L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.

LIMA, L. C.; DOS SANTOS, L. F. A. Perfil epidemiológico dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico em um hospital do município de Fortaleza. Monografia (Graduação em Fisioterapia) - Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará, p.54. Fortaleza, 2009.

MARIATH, A. B., et al. Obesidade e fatores de risco para o desenvolvimento de doenças crônicas não transmissíveis entre usuários de unidade de alimentação e nutrição. Cad de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 23, n°4, p.897-905. Abr. 2007. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/csp/v23n4/16.pdf.

MAZOLLA, D.; POLESE, J. C.; SCHUSTER, R. C.; OLIVEIRA, S. G. Perfil dos pacientes acometidos por acidente vascular encefálico assistidos na clínica escola de fisioterapia neurológica da Universidade de Passo Fundo. RBP. v. 20, n°1. P.22-27, 2007. Disponível em: http://www.redalyc.org/pdf/408/40820105.pdf

MENDES, T. A. B. M., et al. Diabetes Mellitus: Fatores associados à prevalência em idodos, medidas e práticas de controle e uso dos serviços de saúde em São Paulo, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v.27, n°6, p.1233-1243, jun, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v27n6/20.pdf.

MOTA, E.; NATALIO, M. A.; WALTRICK, P. T. Intervenção fisiooterapêutica e tempo de internação em pacientes com Acidente Vascular Encefálico. Rev.Neurocienc. v.16, n°, p.118-123, 2008. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2008/RN%2016%2002/Pages%20from%20neuro_vol_16_n2-9.pdf.

MOURÃO, T. C., et al. Mortalidade precoce por doenças Cardiovasculares: Perfil epidemiológico dos óbitos no Ceará. Rev. Eletr. Pesq. Méd. v.2, n°. 9, out-dez. 2008.

O´SULLIVAN, S. B.; SCHMITZ. T. J. Fisioterapia: Avaliação e Tratamento. 5. Ed. São Paulo: Manole, 2010.

PEREIRA, A. B. C. N.G., et al . Prevalência de acidente vascular cerebral em idosos no Município de Vassouras, Rio de Janeiro, Brasil, através do rastreamento de dados do Programa Saúde da Família. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 25, n°. 9, set. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v25n9/07.pdf.

PIASSAROLI, C. A. P., et al. Modelos de reabilitação fisioterápica em pacientes adultos com seqüelas de AVC Isquêmico. Rev. neurociência. v. 20, n. 1, p. 128-137, 2012. Disponível em: http://fisioterapia.com/wp-content/uploads/2016/10/634-revisao.pdf.

PIRES, S. L.; GAGLIARDI, R. J. ;GORZONI, M. L. Estudo das freqüências dos principais fatores de risco para acidente vascular isquêmico em idosos. Arqu. Neuro.Psiquiatr. São Paulo, v.62, n° 3b, set. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/anp/v62n3b/a20v623b.pdf.

PINTO, A. F. C. M.. Planejamento e apresentação do projeto. Pontificas Universidade Católica de MiNAS Gerais, 2010.

SANTOS-FILHO, R. D.; MARTINEZ, T. L. R. Fatores de risco para doença cardiovascular: velhos e novos fatores de risco, velhos problemas. Arq. Brasil. de Endocrin. Metab. v.46, n°. 3, p. 212-214, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/abem/v46n3/10890.pdf.

SILBERNAGL, S.; LANG, F. Fisiopatologia:texto e atlas. Porto Alegre: Artmed, 2006.

STOKES, M. Neurologia para Fisioterapeutas. São Paulo: Editorial Premier, 2000.

TEIXEIRA, E. et al. Acidente vascular encefálico. Ares MJJ. Terapia ocupacional na reabilitação física. São Paulo: Roca, p. 3-16, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.