Conhecimento dos profissionais da atenção primária sobre alimentação adequada para crianças menores de dois anos

Maria de Nazaré Neta Sousa Neta, Maria Érica de Sousa Jesus, Nilton César Alves Lira Júnior, Theonas Gomes Pereira, Norma Sueli Marques da Costa Alberto, Carmen Viana Ramos

Resumo


Objetivou-se analisar o conhecimento dos profissionais da Estratégia Saúde da Família sobre o aleitamento materno e alimentação complementar saudável. Pesquisa quantitativa e transversal, amostra por conveniência realizada com 50 profissionais da Estratégia Saúde da Família em seis Unidades Básicas de Saúde da zona leste/sudeste de Teresina-PI. Aplicou-se um questionário estruturado em duas partes: caracterização sócio profissional e conhecimentos com relação ao aleitamento materno e alimentação complementar. Os dados foram agrupados e analisados por média simples. 90% dos profissionais recomendam até seis meses de idade o aleitamento materno exclusivo, 84% afirmam que a amamentação é sob livre demanda, 72% desaconselham o uso de chupeta e 64% souberam identificar os sinais adequados da boa pega. Com relação à alimentação complementar o feijão e a repetição do alimento são poucos estimulados. Os profissionais têm um conhecimento adequado sobre o aleitamento materno exclusivo, no entanto, precisam melhorar suas orientações quanto a alimentação complementar.


Palavras-chave


Nutrição

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: aleitamento materno. Brasília, 2018. Disponível em: Acesso em: 28/05/2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde: manual de implementação / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde. – Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos : um guia para o profissional da saúde na atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2 ed. – 2 reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009.

BUENO, L. G; TERUYA, K. M. The practice of breastfeeding counseling. J Pediatr, Rio de Janeiro, v.80, n.5, p.126-130, 2004.

DE OLIVEIRA, M. F.; AVI, C. M. A importância nutricional da alimentação complementar. Revista Ciências Nutricionais Online, v.1, n.1, p.36-45, 2017.

DIAS, M. C. A.; FREIRE, L. M. S.; FRANCESCHINI, S. C. C. Recomendações para alimentação complementar de crianças menores de dois anos. Rev. Nutr., Campinas, v. 23, n. 3, p. 475– 486, 2010.

DIAS, M. S. A; PARENTE, J. R. F; VASCONCELOS, M. I. O, et al. Intersetorialidade e Estratégia Saúde da Família: tudo ou quase nada a ver? Ciênc. Saúde coletiva, Ceará, v.19, n.11, p.4371- 82, 2014.

GUERRA, A. et al. Alimentação e nutrição do lactente. Acta Pediatr. Port., Lisboa, v. 43, n. 2, p. 17-40, 2012.

LINDER, V; CHAVES, S. E; STRAPASSON, M. R. Percepções de mulheres vivendo com o vírus da imunodeficiência humana acerca da impossibilidade de amamentar. Enferm. Foco, Rio grande do Sul, v.7, n.2, p.07-11, 2016.

MARTINS, A. R. A. práticas dos enfermeiros na promoção do aleitamento materno [dissertação]. Portugal: Escola Superior de Saúde de Viseu – Instituto Politécnico de Viseu, 2012.

MARTINS, C. B. G; SANTOS, D. S; LIMA, F. C. A. et al. Introdução de alimentos para lactentes considerados de risco ao nascimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Cuiabá, v. 23, n. 1, p. 79–90, 2014.

MATOS, R. A. C. alimentação complementar em lactentes após aleitamento materno exclusivo: práticas e orientações [dissertação]. Brasília: Universidade de Brasília, 2011.

MELO, A.; BARBOSA, T. M. Atuação do Núcleo de Apoio à Saúde da Família: o entendimento de profissionais da estratégia de saúde da família de um município catarinense. Tempus, actas de saúde colet, Brasília, v. 10, n. 11, p. 25-39, 2018.

PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA. Fundação municipal de saúde. Disponível em: . Acesso em: 22 de novembro de 2017).

SANTOS, G. C. P; PINTO, N. R. A; SANTOS, B. A. et al. Os benefícios da amamentação para a saúde da mulher, Revista Saúde em Foco, São Paulo, n. 9, 2017.

SCHINCAGLIA, R. M; OLIVEIRA, A. C; SOUSA, L. M. et al. Práticas alimentares e fatores associados à introdução precoce da alimentação complementar entre crianças menores de seis meses na região noroeste de Goiânia. Epidemiol. Serv. Saúde, Goiânia, v.24, n.3, p.465-474, 2015.

SILVESTRE, P. K; CARVALHAES, M. A; VENANCIO, S. I; TONETE, V. L; PARADA, C. M. Conhecimentos e práticas de profissionais de saúde sobre aleitamento materno em serviços públicos de saúde. RevLatAm Enfermagem. n.17, v.6, p.953-960, 2009.

SOUSA, L; HADDAD, M. L; NAKANO, A. M. S; GOMES, F. A. Terapêutica não-farmacológica para alívio do ingurgitamento mamário durante a lactação: revisão integrativa da literatura. Rev Esc Enferm, São Paulo, v.46, n.2, p.472-9, 2012.

TORYIAMA, Á. T. M; FUJIMORI, E; PALOMBO, C. N. T. et al. Aleitamento materno: o que mudou após uma década? Rev. Latino-Am. Enfermagem, São Paulo, n.25, v.2941, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.