Avaliação da força muscular respiratória de pacientes de uma unidade de pronto atendimento

Layssa Borges, Telmo Andrade

Resumo


O processo de adoecimento e de internação hospitalar tem como resultado a inatividade ou imobilização do corpo, além da atrofia muscular, promovendo um declínio na musculatura, força e resistência que podem alterar a função muscular respiratória acarretando a fraqueza ou a fadiga, levando à insuficiência ventilatória. O objetivo deste trabalho é avaliar a força muscular respiratória de pacientes críticos de uma Unidade de Pronto Atendimento utilizando a manovacuometria. Metodologia: Esse estudo realizou a avaliação da força muscular respiratória de 22 pacientes hospitalizados na semi-UTI (zona vermelha) e na zona amarela da UPA da cidade de Timon-MA. Os resultados mostraram diminuição nos valores de PImáx e PEmáx nos sujeitos internados na UPA de Timon-MA quando comparados aos valores preditos calculados para cada individuo utilizando a fórmula de Neder. O acompanhamento da função pulmonar é importante e serve para avaliar a gravidade, as consequências funcionais e o progresso de diversas disfunções pulmonares.


Palavras-chave


UPA; FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA; FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Sandra Emília Benício. Estudo comparativo das pressões inspiratórias e expiratórias máximas em doentes pulmonares adultos com diferentes adequações do estado nutricional. Biblioteca Central da Universidade Federal da Paraíba UFPB. 2001.

BORDALO, Alípio Augusto. Estudo transversal e/ou longitudinal. Revista Paraense de Medicina. v. 20, n. 4, 2006.

BORGES, Lúcia Faria. et. al., Manobra de compressão torácica expiratória em adultos ventilados mecanicamente: revisão sistemática com metanálise. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 29, n. 1, p. 96-104, 2017.

FERREIRA, Eloara Vieira Machado. Musculatura respiratória: mitos e segredos. Jornal Brasileiro de Pneumologia. v. 41, n. 2, 2015.

LATRONICO, Nicola Latronico. GOSSELINK, Rik. Abordagem dirigida para o diagnóstico de fraqueza muscular grave na unidade de terapia intensiva. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 27, n. 3, p. 199-201, 2015.

MENEGHETTI, Cristiane Helita Zorél. et. al. Avaliação da Força Muscular Respiratória em Indivíduos Acometidos por Acidente Vascular Cerebral. Revista de Neurociencia. v. 19, n. 1, 2011.

NEDER, J.A. et. al. Reference values for lung function tests. II. Maximal respiratory pressures and voluntary ventilation. Muscle respiratory strength in healthy subjects Brazilian Journal of Medical and Biological Research v. 32. 1999.

OLIVEIRA, Laise Chaves. et. al., Pressões respiratórias máximas de pico e sustentada na avaliação da força muscular respiratória de crianças. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. v. 12, n. 4, p. 357-364, 2012.

OLIVEIRA, Paulo César. JANSEN, José Manoel. Fadiga Muscular Respiratória. Pulmão-RJ, 1991.

OLIVEIRA, Saionara Nunes. et. al., Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h: Percepção da enfermagem. Texto Contexto Enfermagem, v. 24, n. 1, p. 238-44, 2015

PARREIRA V.F. et. al., Pressões Respiratórias Máximas: Valores encontrados e preditos em indivíduos saudáveis. Revista brasileira de Fisioterapia. v. 11, n. 5, p. 361-368, 2007.

PASSARELLI, Rita de Cássia Vianna. et. al., Avaliação da força muscular inspiratória (PImáx) durante o desmame da ventilação mecânica em pacientes neurológicos internados na unidade de terapia intensiva. Fisioterapia e Pesquisa. v. 18, n. 1, p. 48-53, 2011.

PEIXOTO-SOUZA, Fabiana Sobral. et. al., Fisioterapia respiratória associada à pressão positiva nas vias aéreas na evolução pós-operatória da cirurgia bariátrica. Fisioterapia e Pesquisa. v. 19, n. 3, p. 204-209, 2012.

PESSOA, Isabela Maria Braga Sclauser. Valores de referência para a força muscular respiratória: metodologia recomendada por diretrizes internacional e brasileira. Tese apresentada ao Curso de Doutorado em Ciências da Reabilitação, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG. 2013.

PROENÇA, Michele de Oliveira. DELL AGNOLO, Cátia Millene. Internação em Unidade de Terapia Intensiva: percepção de pacientes. Revista Gaúcha de Enfermagem. v. 32, n. 2, p. 279-86, 2011.

RIBEIRO, Simone Nascimento Santos. Avaliação entre força muscular respiratória e função pulmonar por meio de exercício em crianças e adolescentes com asma [manuscrito]: ensaio clínico controlado – 2007.

SANTOS, Roberta Magalhães Guedes. et. al., Manovacuometria realizada por meio de traqueias de diferentes comprimentos. Fisioterapia e Pesquisa. v. 24, n. 1, p. 9-14, 2017.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho cientifico. 23 ed. São Paulo: Cortez, p. 304, 2013.

SILVA, Ana Paula Pereira. et. al., Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. v. 22, n. 1, p. 85-91, 2010.

SILVA, Bruna Camila Araujo. et. al. Avaliação da funcionalidade respiratória em pacientes com tempo prolongado de internação hospitalar. Journal of the Health Sciences Institute / Universidade Paulista. v.32, n.4. 2014.

SILVEIRA, Ana Paula C. et. al., Comparação do uso da pressão positiva com a fisioterapia convencional e incentivadores respiratórios após cirurgia cardíaca: revisão de literatura. Revista da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, v. 44, n. 4, p. 338-46, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.