Avaliação das condições higiênico-sanitárias de estabelecimentos comerciais de saladas de frutas no município de Vitória da Conquista – Ba

Silvania Eça Cunha, karina Patez Santos, Pollyana Silva Santos

Resumo


A salada de frutas é considerada um alimento de alto valor nutricional. No entanto, devido ao seu teor de atividade de água e nutrientes, são considerados um substrato adequado para a proliferação de microorganismos, dentre eles bactérias, os quais podem favorecer a transmissão de Doenças Veiuladas por Alimentos ao consumidor. Tem-se como objetivo geral avaliar as condições higiênico-sanitárias de estabelecimentos comerciais de saladas de frutas no município de Vitória da Conquista. Para tanto, optou-se por utilizar a forma de abordagem quantitativa, descritivo-exploratório e observacional. A coleta dos dados se deu em dezoito (18) estabelecimentos comerciais. Após a apreciação dos resultados observou-se que o grupo dos ambulantes apresentou maiores inadequações, estando fora dos padrões nos 8 quesitos analisados, enquanto que as lanchonetes e faculdades apresentaram adequação em até 100%. As principais inadequações foram área para recepção e armazenamento de produtos e instalações sanitárias, demonstrando um alto índice de inadequações pelos ambulantes e um alto risco de contaminação da salada de frutas durante a comercialização. As principais alterações observadas incluíram: alimentos armazenados sem proteção e refrigeração, a ausência de Equipamentos de Proteção Individual – EPIs dos manipuladores, a ausência de instalações sanitárias.


Palavras-chave


Alimentação saudável. Doenças Transmitidas por Alimentos. Segurança alimentar.

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, C. et al. Avaliação microbiológica de saladas de frutas comercializadas em de Passo Fundo, RS. Sociedade de Veterinária do Rio Grande do Sul: 18° Congresso Estadual de Medicina Veterinária, 2016.

ANTUNES, R. M. P. et al. Atividade antimicrobiana “in vitro” e determinação da concentração inibitória mínina (CIM) de fitoconstituintes e produtos sintéticos sobre bactérias e fungos leveduriformes. Revista Brasileira de Farmacognosia, v. 16, n. 4, p. 517-524, 2006.

ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004. Disponível em: < http://portal.anvisa.gov.br/documents/33916/388704/RESOLU%25C3%2587%25C3%2583O-RDC%2BN%2B216%2BDE%2B15%2BDE%2BSETEMBRO%2BDE%2B2004.pdf/23701496-925d-4d4d-99aa-9d479b316c4b>. Acesso em maio de 2018.

ARAÚJO, Leziane de Matos. segurança do alimento: condições higiênico-sanitárias do restaurante de empresa do município do Rio de Janeiro-RJ. XX Congresso Brasileiro de Economia Doméstica. Anais. Fortaleza, 2009.

BASTOS, M. S. R. Frutas minimamente processadas: aspectos de qualidade e segurança. Fortaleza: Embrapa Agroindústria Tropical, 2007.

BASTOS, Cláudio Sergio Pimentel. Cartilha sobre boas práticas para a manipulação de alimentos. vol. II, 2015. Disponível em: < https://ovigilantesanitario.files.wordpress.com/2015/06/cartilha-sobre-boas-prc3a1ticas-para-manipulador-de-alimentos-volume-ii1.pdf>. Acesso em dez. de 2018.

BORBA, Andréia Urdangarin. Valiação de irregularidades nos serviços de alimentação do município de Bagé e elaboração de cartilha de boas práticas de manipulação. 66 fls. 2014. Monografia (Especialização em Processos Agroindustriais). Universidade Federal do Pampa, Bajé, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Câmara Técnica de Alimentos. Resolução Normativa nº 05/79 - CTA, de 08 de outubro de 1979: Frutas em Conserva. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 08 out. 1979.

______. Resolução RDC Nº 216, de 15 de setembro de 2004. Agência Nacional de Vigilância Sanitária– ANVISA. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 2004

_____. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual técnico de diagnóstico laboratorial de Salmonella spp.: diagnóstico laboratorial do gênero Salmonella. Fundação Oswaldo Cruz. Laboratório de Referência Nacional de Enteroinfecções Bacterianas, Instituto Adolfo Lutz. – Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

_____. Resumo NR 24 – Condições Sanitárias e De Conforto Nos Locais De Trabalho. 1993. Disponível em: < http://trabalho.gov.br/images/Documentos/SST/NR/NR24.pdf>. Acesso em nov. de 2018.

_____. Ministério da Saúde. 2018. Surtos de Doenças Transmitidas por Alimentos no Brasil. Disponível em: < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2018/julho/02/Apresentacao-Surtos-DTA-Junho-2018.pdf>. Acesso em dez. de 2018.

BRUNO, L. M. et al. Avaliação microbiológica de hortaliças e frutas minimamente processadas comercializadas em Fortaleza (CE). Boletim do Centro de Pesquisa de Processamento de Alimentos, v. 23, n. 1, p.75 – 84, 2005.

BUSATO, Maria Assunta; GRÄF, Fabricia Maria; ZAGONEL, Laíza Cristina. Condições higienicossanitárias do comércio ambulante de alimentos de Chapecó, SC. Higiene alimentar, v. 28, n. 234-235, p. 68-72, 2014.

CORRÊA, F. A. F. Características dos patótipos de E.coli e implicações de E. coli patogênica para aves em achados de abatedouros frigoríficos. 37fls. 2012. Seminário (Pós-Graduação em Ciência Animal). Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás, 2012.

COUTO, Hyrla Grazielle Silva de Araújo. Utilização de revestimento comestível contendo amido e nisina na conservação de salada de frutas minimamente processadas. 46fls. 2016. Dissertação (Mestrado em Ciências). Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão Sergipe – Brasil, 2016.

DECS – Descritores em Ciência da Saúde. Escherichia coli Shiga Toxigenica. Disponível em: < http://decs.bvs.br/>. Acesso em: abr. de 2018.

DEKIC, B. et al. Synthesis of new antimicrobial 4-aminosubstituted 3-nitrocoumarins. Chemical Papers, Bratislava. v. 64, n. 3, p. 354-359, 2010.

FARIAS, M. L. S.; BOBERMIN, D.; RIBEIRO, D. H. B. Qualidade higiênico-sanitária de saladas de frutas vendidas em quiosques de praias em Florianópolis-SC durante a temporada de verão de 2015. Revista do Instituto Adolfo Lutz, v. 75, p. 01-08, 2016.

GERHARDT, T.E.; SILVEIRA, D.T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

______. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GONÇALVES, Jenniffer Camila Gomes. Elaboração material didático para treinamento de manipuladores de alimentos. 85fls. 2013. TCC (Tecnólogo em Alimentos). Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Ponta Grossa, 2013.

LINS, A.D.F. et al. Qualidade microbiológica de saladas de frutas comercializadas em três municípios do Cariri Cearense. Revista AGROTEC. v. 35, n. 1, p. 203–207, 2014.

LIMA, T.S. et al. Condições higienicossanitárias de alimentos comercializados por ambulantes no centro comercial de Aracaju, SE. Higiene Alimentar., v.31, n. 270/271, 2017

KEHL, L.; BORJES, L.. A elaboração da cartilha de boas práticas para manipuladores de alimentos em empreendimentos de economia solidária ITCP- UNOCHAPECÓ. 5º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária, Porto Alegre. Anais, 2012.

MAIA, MÔNICA DE OLIVEIRA; MAIA, MONIQUE DE OLIVEIRA. Avaliação das condições higiênico-sanitárias de uma lanchonete no município de Limoeiro do Norte-CE. Revista Intertox de Toxicologia, Risco Ambiental e Sociedade, v. 10, n. 1, 2017.

MARTINS, E. M. F. Viabilidade do uso de salada de frutas minimamente processada como veículo de microorganismos probióticos. 2012. 101fls. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos. Viçosa, MG), 2012.

MARINS, B.(Org.). Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. Rio de Janeiro: EPSJV, 2014. Disponível em: < http://www.epsjv.fiocruz.br/sites/default/files/seguranca_alimentar_vigilancia_0.pdf>. Acesso em dez. de 2018.

MORETTI, C L. (Editor técnico). Manual de Processamento Mínimo de Frutas e Hostaliças. Brasília : Embrapa Hortaliças, 2007.

NASCIMENTO, K. de O. et al. Alimentos Minimamente Processados: Uma tendência de mercado. Acta Tecnológica. v. 9, n. 1, p. 48-61, 2014.

NOGUEIRA M. M. J. et al. Avaliação das características microbiológicas das saladas de frutas comercializadas por ambulantes de Juazeiro do Norte, CE. Braspen Journal. v. 32, n. 1, p. 63-67, 2017.

NUVOLARI C. M. Boas práticas de fabricação e a cadeia do frio nos supermercados de botucatu – SP. 84fls. 2017. Dissertação (Mestrado em agronomia). Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp, Botucatu 2017.

OMS – Organização Mundial da Saúde. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases. report of a joint WHO/FAO expert consultation. Geneva: WHO; 2003.

PAMPLONA, J. B. A. Atividade informal do comércio de rua e a região central de são paulo. Revista brasileira de Estudo Populares v. 30, n. 1, p. 225-249, 2013.

PINHEIRO, A. M. et al. Avaliação das características de qualidade, componentes bioativos e qualidade microbiológica de salada de frutas tropicais Alimentos e Nutrição Araraquara. v. 22, n. 3, p. 435-440, 2011.

PROENÇA, R. P. da C. Alimentação e globalização: algumas reflexões. Ciencia e Cultura v.62, n. 4, 2010.

RAMOS, M. H. Qualidade nutritiva da alimentação para a prevenção de doenças no ensino médio. 2012. 26fls. TCC (Especialização). Especialização em Saúde para professores do Ensino Médio e Fundamental, da Coordenadoria de Integração de Políticas de Educação a Distância da Universidade Federal do Paraná. Lapa, 2013.

SANTOS, R. B.; CARVALHO, L. R. Qualidade microbiológica de saladas de frutas comercializadas no município de Ilhéus–BA. Revista Brasileira de Ciências em Saúde. v. 1, n. 1, p. 45-52, 2017.

SANTOS, M. S. Risco microbiológico do consumo de saladas cruas e cozidas servidas em restaurantes self service em Cruz das Almas, Bahia, e a eficência da água sanitária na higienização das hortaliças. Dissertação (Mestrado em Microbiologia Agrícola). Universidade Federal do Recôncavo da Bahia e Embrapa Mandioca e Fruticultura. Cruz das Almas-BA. 2016

SÃO JOSÉ, J. F. B.; COELHO, A. I. M.; FERREIRA, K. R. Avaliação das boas práticas em unidade de alimentação e nutrição no município de Contagem-MG. Alimentação Nutricional. v. 22, n. 3, p. 479-487, 2011.

SERRAZINA, Vânia Ferreira. Higiene das mãos dos manipuladores de alimentos dos estabelecimentos de restauração e bebidas do concelho de Alcobaça. 2013. 114fls. Tese de Doutorado. Faculdade de Ciências e Tecnologia. Universidade Nova de Lisboa. Lisboa, 2013.

SILVA, Jessica Annie Ribeiro Soares et al. Análise microbiológica de saladas de frutas comercializadas na região central de Vitória da Conquista–Bahia. Ciência & Desenvolvimento-Revista Eletrônica da FAINOR, v. 11, n. 3, 2018.

SILVA, Arielly Karine Corrêa da; COMIN, Talita. Avaliação de boas práticas de fabricação em panificadoras da região lindeira. 2013. 86fls. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Medianeira, 2013.

SMANIOTO, T. F. et al. Qualidade microbiológica de frutas e hortaliças minimamente processadas. Revista do Instituto Adolfo Lutz. v. 68, n. 1, p. 150- 154, 2009.

SOUSA, Hudson Wallença Oliveira e; BRUM, Aelson Aloir Santana; ORLANDA, José Fábio França. Comércio ambulante de alimentos: condições higiênico-sanitárias e perfil de vendedores ambulantes. Revista Tem@, v.14. n. 20;21, 2013.

STOLARSKI, Márcia Cristina, et al., org. Boas práticas de manipulação de alimentos. Curitiba: SEED–PR., 2015. Disponível em: . Acesso em dez. de 2018.

TONDO, E. C.; BARTZ, S. Microbiologia e Sistemas de Gestão da Segurança de Alimentos. Porto Alegre: Sulina, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.