USO DA AURICULOTERAPIA NAS DISFUNÇÕES OSTEOMIOARTICULARES EM PROFISSIONAIS DA ATENÇÃO PRIMÁRIA

João Paulo Maciel Cavalcanti de Albuquerque, Soraya Barbosa, Paula Drielly de Melo Ribeiro

Resumo


Objetivo: Verificar o efeito da auriculoterapia nas disfunções osteomioarticulares relacionadas ao trabalho (DORT) presentes em trabalhadores de unidades básicas de saúde do município de Caruaru-PE. Métodos: A pesquisa foi realizada na Unidade de Saúde Doutor Paulo Miranda referente ao Núcleo Ampliado de Saúde da Família 10, em profissionais de saúde que compõem a Estratégia de Saúde da Família (ESF) e NASF, que possuem queixas ou diagnóstico de DORT. Resultados: Dos 17 participantes do presente estudo,14 indivíduos classificaram sua dor como leve (82,35%) e 3 como moderada (17,64%), respectivamente, após o uso da auriculoterapia. Já em relação a frequência de dor, os profissionais classificaram como: raramente sentia dor (58,82%)e nunca sentia dor (17,64%). Conclusão: Mediante os resultados obtidos neste estudo, pôde-se verificaram resultado positivo da auriculoterapia nesse público no que diz respeito a redução do quadro álgico e consequente melhoria da sintomatologia. 


Palavras-chave


Auriculoterapia, Saúde do trabalhador, Transtornos Traumáticos Cumulativos.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, L. G. N.; TORRES, S. C.; SANTOS, C. M. F. Riscos Ocupacionais na atividade dos profissionais de saúde da Atenção Básica. Revista Enfermagem Contemporânea, Salvador, v. 1, n. 1; p.142- 154, 2012.

ARAUJO, A. P. S.; FUMAGALI, E. M. Auriculoterapia no tratamento da Síndrome do Túnel do Carpo: Estudo de Caso. CESUMAR- Centro Universitário de Maringá. Paraná, 2009.

ARAUJO, A. P. S.; LOPES, S. M. Auriculoterapia no tratamento dos distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT). Arq. Ciênc. Saúde. Unipar. v.10, p. 108-124, 2013.

BATALHA, L. M. C. Avaliação da dor: Manual de Estudo. Escola Superior de Enfermagem de Coimbra; Coimbra, 2016.

CARMO, M. A.; ANTONIASSI, D. P. Avaliação da dor e qualidade de vida em

mulheres com fibromialgia submetidas ao tratamento de auriculoterapia associada a fisioterapia ou exercícios físicos. Rev. Bras. Qual. Vida. Ponta Grossa, v. 10, n. 1, 2018.

CHARLESWORTH, K. APPA: na auricular acupunture protocol for the attenuation of pain and anxiety in humanitarian aid environments. A consensus study to determine a theoretically safe and effective beta protocol [poster]. Disponível em:http://www.acutu.net/wpcontent/uploads/2015/12/APPA-poster-1000px-wide.png. Acesso em: 09/10/2020.

EBERHARDT, L. D.; CARVALHO, M.; MUROFUSE, N. T. Vínculos de trabalho no setor de saúde: O cenário da precarização na macrorregião Oeste do Paraná. Saúde Debate. Rio de Janeiro, v.39, n. 104, p. 18-29, 2015.

GONTIJO, R. S. et al. Análise dos distúrbios osteomusculares relacionados à ergonomia em Aciaria de uma empresa siderúrgica. Revista de Enfermagem do Centro Oeste, v.2, n.2, 2012.

HOUVET, P. Upper limb cumulative trauma disorders for the orthopaedic surgeon. Orthop. Traumatol. Surg. Res., v. 99, p.104-14, 2013.

KUREBAYASHI, L. F. S. et al. Auriculoterapia para redução de ansiedade e dor em profissionais de enfermagem: ensaio clínico randomizado. Rev. Latino-Americano Enfermagem, v. 25, 2017.

MELO, V. F. et al. Incidência de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT), em trabalhadores do setor administrativo do Instituto Nacional de Metrologia, qualidade e tecnologia (INMETRO), Rio de Janeiro, Brasil. Revista Saúde Física & mental- UNIABEU, v.2, n.1, 2013.

MENDONÇA, D. S. et al. Incidência de queixas musculoesqueléticas em profissionais de enfermagem de unidade de terapia intensiva de Anápolis- Goiás. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. v. 13, n.3, p. 69-76, 2010.

MORAES, P. W. T.; BASTOS, A. V. B. Os sintomas de LER/DORT: um estudo comparativo entre bancários com e sem diagnóstico. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 37 n.3, p. 624-637, 2017.

MORIM, C. D. G. S. Tensão Miálgica. 2015. 55 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Medicina, Universidade do Porto, Porto, 2015.

NEGRI, J. R. et al. Perfil sociodemográfico e ocupacional de trabalhadores com ler/dort: estudo epidemiológico. Rev. Baiana Saúde Pública. v.38, p.555-70, 2014.

RIBEIRO, N. F. et al. Prevalência de distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho em profissionais de enfermagem. Revista Brasil Epidemiologia, v. 15, p. 429-38,2012.

SANTOS, R. L. X. et al. Lesão por esforços repetitivos (LER/DORT) em cirurgiões-dentistas da Clínica Odontológica da Polícia Militar de Pernambuco. Odontol. Clín.Cient. (Online), v.12, n.3, 2013.

SILVA, M. A. M.; MOURA, P. M. F. LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS/ DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARESRELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DE SAÚDE:

uma revisão de literatura. 2016. 22 f. Trabalho de Conclusão de Curso- Curso de Terapia Ocupacional, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia ocupacional – UFMG, Belo Horizonte, 2016.

SOUZA, M. P. Tratado de auriculoterapia. 1ª edição. Brasília- DF, Novo Horizonte, 2012.

TOLENTINO, F. Efeito de um tratamento com auriculoterapia na dor, funcionalidade e mobilidade em adultos com dor lombar crônica.2016. 53.f. Dissertação. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Humano e Tecnologias- Universidade Estadual Paulista, 2016.

VIEGAS, L. R. T; ALMEIDA, M. M. C. Perfil epidemiológico dos casos de LER/DORT entre trabalhadores da indústria no Brasil no período de 2007 a 2013. Rev. Bras. Saúde Ocup., São Paulo, v. 41, n.22, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.