TUBERCULOSE: PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO, CLÍNICO E EPIDEMIOLÓGICO

Thainara Camilo Matos, Silviane Galvan Pereira, Priscilla Higashi, Isabel Fernandes

Resumo


Objetivo: Apresentar o perfil sociodemográfico, clínico e epidemiológico de tuberculose, da cidade de Foz do Iguaçu/PR. Metodologia: Estudo epidemiológico retrospectivo, descritivo de pacientes com Tuberculose. A amostra foi composta por 224 fichas. Resultados: A idade dos indivíduos com tuberculose variou de 4 a 99 anos, com maior ocorrência, 37% (n=84), para a faixa etária de 20 a 35 anos. O sexo masculino (69%; n=156), o nível de instrução fundamental (62%; n=139), e a residência na região urbana (96%; n=216) foram as características sociodemográficas mais frequentes. Quanto às características epidemiológicas e clínicas, os registros de casos novos 83.93% (n=188), os agravos associados aos hábitos sociais de tabagismo (40,54%; n=60) e alcoolismo (22,30%; n=33), e a forma de pulmonar (89.73%; n=201) foram os mais recorrentes. Conclusão: O número de casos novos da doença vem aumentando gradativamente, e acometendo indivíduos do sexo masculino, em idade produtiva e com baixa escolaridade.


Palavras-chave


Saúde Pública. Saúde na Fronteira. Epidemiologia. Tuberculose. Perfil da Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ALECRIM, J. S. et al. Perfil epidemiológico dos portadores de Tuberculose notificados no município de Teresópolis/RJ de 2011 a 2013. Revista Jopic Unifeso, Rio de Janeiro, v.1, p.2, 2018.

BARREIRA, D. et al. Os desafios para a eliminação da Tuberculose no Brasil. Revista Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 27, p. e00100009, 2018.

BOSQUI, L. R. et al. Perfil clínico de pacientes com diagnóstico de Tuberculose atendidos no Hospital Universitário de Londrina, Paraná, Revista Ciências Biológicas e da Saúde, Paraná, v.38, p. 89-98, 2017.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil. 2a. Ed., Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de recomendações para o controle da Tuberculose no Brasil. 2a. Ed., Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2019.

CAMPOS, R. B. et al. Controle da Tuberculose em município fronteiriço: análise da capacidade institucional dos serviços de saúde. Revista Cogitare Enfermagem, Paraná, v. 23, n. 2, 2018.

CHAVES, J. et al. Perfil dos pacientes com Tuberculose que foram atendidos em uma unidade de referência do município de Santa Cruz do Sul-RS no período de 2009 a 2013. Journal of Health and Biological Sciences, Rio Grande do Sul, v.5, p.31-36, 2017.

CUNHA, C. C. et al. Descrição dos casos de Tuberculose diagnosticados em um centro de saúde de Salvador, Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, Bahia, v.39, p.617, 2015.

FOZ DO IGUAÇU. Boletim Epidemiológico. 5a. Ed., Foz do Iguaçu/PR: Vigilância Epidemiológica. Secretaria Municipal da Saúde, 2017.

FOZ DO IGUAÇU. Boletim Epidemiológico. 5a. Ed., Foz do IguaçuPR: Vigilância Epidemiológica. Secretaria Municipal da Saúde, 2015.

FREITAS, W. M. T. M. et al. Perfil clínico-epidemiológico de pacientes portadores de Tuberculose atendidos em uma unidade municipal de saúde de Belém, Estado do Pará, Brasil. Revista Pan-Amazônica de Saúde, Pará, v.7, p.6-6, 2016.

FUSCO, A. P. B. et al. Distribuição espacial da Tuberculose em um município do interior paulista, 2008-2013. Revista Latino-Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 25, p. 1-9, 2017.

KAMIMURA, Q. P; GONÇALVES, K. A. M; SILVA, J. L. G. Caracterização do perfil epidemiológico e sociodemográfico de cidadãos portadores de Tuberculose. Revista Ensaios e Ciência Biológicas, Agrárias e da Saúde, Tocantins, v.16, p.6, 2015.

LIMA, S. M. et al. Caracterização dos casos de Tuberculose notificados em um município prioritário do Brasil, de 2011-2015. Revista Eletrônica Acervo Saúde, Pernambuco, v.11, p.482, 2019.

MACEDO, J. L. et al. Perfil epidemiológico da Tuberculose em um município do maranhão. Revista Facema Ciência e Saberes, Maranhão, v.3, p.699-705, 2017.

MORAES, M. F. V. et al. Perfil epidemiológico de casos de Tuberculose em um município prioritário no estado do Maranhão. Revista de Pesquisa em Saúde, Maranhão, v.18 p.147-150, 2017.

PEREIRA, A. G. L. et al. Fatores associados ao óbito e ao abandono do tratamento da Tuberculose em um hospital geral do município do Rio de Janeiro, 2007 a 2014. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, Rio de Janeiro, v.8, p.150-158, 2018.

PRADO, J. J. C; VIRGILIO, T. C; MEDRONHO, R. A. Comparação da proporção de cura por Tuberculose segundo cobertura e tempo de implantação de saúde da família e fatores socioeconômicos e demográficos no município do Rio de Janeiro, Brasil, em 2012. Revista Ciência e Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, p. 1491-1498, 2016.

SOBRINHO, R. A. S. et al. Efetividade no diagnóstico da Tuberculose em Foz do Iguaçu/PR, tríplice fronteira Brasil, Paraguai e Argentina. Revista da Escola de Enfermagem da USP, Paraná, v. 47, n. 6, p. 1373-1380, 2013.

SOUZA, M. N. L. et al. Abandono do tratamento da Tuberculose: uma análise epidemiológica dos seus fatores de risco. Revista Cadernos de Cultura e Ciência, Ceará, v.13, p.90-99, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.