COINFECÇÃO LEISHMANIOSE VISCERAL-HIV EM UM ESTADO BRASILEIRO: ASPECTOS SOCIODEMOGRÁFICOS, CLÍNICOS E LABORATORIAIS

Telma Maria Evangelista de Araújo, Eduardo Luiz Silva Félix, Olívia Dias de Araújo, André Felipe de Castro Pereira Chaves, Ellen Cristina da Costa Leite Sousa

Resumo


Objetivo: Analisar padrões temporais epidemiológicos e clínicos relacionados à coinfecção leishmaniose visceral-HIV no Estado do Piauí no período de 2007 a 2016. Métodos: Estudo de série temporal, com dados obtidos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação, realizado com 224 casos de leishmaniose visceral-hiv no período de 2007 a 2016. Resultados: No período do estudo foram notificados 224 casos de coinfecção leishmaniose visceral-hiv, sendo que 83% eram do sexo masculino, 44,6% eram analfabetos e 87,9% residiam na zona urbana. A prevalência de HIV entre os indivíduos com leishmaniose visceral foi de 11,8%. Conclusão:Observou-se a elevada concentração de casos de leishmaniose visceral isolada e associada ao Vírus da Imunodeficiência Humana e o significativo processo de urbanização e periurbanização da leishmaniose visceral. Com isso, observa-se a necessidade de ampliação e fortalecimento de medidas de vigilância epidemiológica no Estado.


Palavras-chave


Leishmaniose visceral; Hiv; Coinfecção.

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

BARBOSA, I. R. et al. Aspectos da coinfecção leishmaniose visceral e HIV no Nordeste do Brasil, Brazil. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 37, n. 3, p. 672-687, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral. 1 ed. Brasília, 2014.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Recomendações para Diagnóstico, Tratamento e Acompanhamento de pacientes com a coinfecção Leishamnia-HIV. 1 ed. Brasília, 2015.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Boletim epidemiológico: HIV/AIDS. Brasília, 2016.

COSTA, M. F. L.; BARRETO, S. M. Tipos de Estudos Epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 12, n. 4, p. 189-201, 2003.

JÚNIOR, W. L. B. et al. Rapid Tests and the Diagnosis of Visceral Leishmaniasis and Human Immunodeficiency Virus/Acquired Immunodeficiency Syndrome Coinfection. Journal of Tropical Medicine, New York, v. 93, n. 5, p. 967-969, 2015.

LINDOSO, J. A. et al. Visceral Leishmaniasis and HIV Coinfection in Latin America. Journal of Neglected Tropical Diseases, United States, v. 8, n. 9, p. 214-217, 2014.

MENON, S. S. et al. Decentralized control of human visceral leishmaniasis in endemic urban areas of Brazil: a literature review. Tropical Medicine and Health, Japan, v. 44, n. 9, 2016.

ORTIZ, R. C.; ANVERSA L. Epidemiology of Visceral Leishmaniasis in Bauru, São Paulo, Brazil, 2004-2012: a descriptive study. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 24, n. 1, p. 97-104, 2015.

PIAUÍ. Governo do Estado. Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais (CEPRO). Piauí em Números. 11. ed. Piauí, 2019. Disponível em: http://www.cepro.pi.gov.br/piemnumeros.php. Acesso em: 29 abr. 2020.

PREFEITURA DE TERESINA. Secretaria Municipal de Planejamento. Teresina em Dados e Números. Teresina, 2019. Disponível em: https://semplan.teresina.pi.gov.br/#. Acesso em: 29 abr. 2020.

QUEIROZ, I. T. et al. Leishmaniasis – HIV coinfection: current challenges. HIV AIDS, Auckland, v. 7, n. 8, p. 147-156, 2016.

SILVA, J. P. et al. Factors associated with Leishmania Chagasi infection in domestic dogs from Teresina, State of Piauí, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Minas Gerais, v. 45, n. 4, p. 480-484, 2012.

SINGH, O. P.; SUNDAR S. Developments in Diagnosis of Visceral Leishmaniosis in the Elimination Era. Journal of Parasitology Research, London, v. 2015, n. spe, 2015.

VIANA, G. M. C. et al. Epidemiological profile of patients co-infected with visceral leishmaniasis and HIV/AIDS in Northeast, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Minas Gerais, v. 50, n. 5, p. 613-620, 2017.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Fact Sheet n. 360º 2016: HIV/AIDS [serial on the Internet]. Genebra, 2016. Disponível em: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs360/en. Acesso em: 08 abr. 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.