ESTILO DE VIDA E ESTADO NUTRICIONAL DE PACIENTES DIABÉTICOS

Joab Oliveira Salomão, Grazzielli Gomes da Silva, Mariana Pereira Nobrega, Rene Jesus de La Torre Acosta, Paulo Loivo do Nascimento, Maria Olimpia Ribeiro do Vale Almada

Resumo


Objetivo: avaliar o estado nutricional, o perfil dietético e o estilo de vida de pacientes diabéticos Métodos: Realizou-se avaliação nutricional e aplicação de questionário semi-estruturado. Resultados: 120 pacientes participaram. 23,33% (28) do sexo masculino e 76,66% (92) feminino, idade ≥ 60 anos 74,1%% (89). Hipertensão arterial, 66,6% (80) e hipercolesterolemia 31,6% (38), histórico familiar de Diabetes e HAS 56% (46,6), constipação intestinal 35% (29,1), obesidade 29% (24,1), sobrepeso 45% (37,5), não seguem dieta específica 70% (58,3), sedentários 70% (58,3), fazem uso de metiformina 54% (45), insulina 32% (26), usam apenas NPH 70% (58,3) e NPH associada à Regular 30% (25), antihipertensivos 83% (69,1). Conclusões: A maioria dos participantes apresentou sobrepeso e obesidade, comorbidades associadas e não segue dieta específica, fator de redução da qualidade de vida, onde a ESF é o melhor espaço para educação em saúde.


Palavras-chave


Diabetes, Avaliação Nutricional, Qualidade de Vida

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN DIABETES ASSOCIATION. Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Diabetes care. V. 37, n. 1, p. S81-S90, 2014.

BAGGIO SC; MAZZOLA JC; MARCON SS. A vivência da pessoa com diabetes após atendimento de urgência. Cogitare Enferm. v.16, n,2, p. 275-281, 2011. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/21816

BERTOLD AD, et al. Epidemiology, management, complications and costs associated with type 2 diabetes in Brazil: a comprehensive literature review. Global Health. v. 3, p. 9-62, 2013.

BORGES TT, et al. Conhecimento sobre fatores de risco para doenças crônicas: estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública. v. 25, n. 7, p. 1511-1520, 2009.

COSTA JÁ, et al . Promoção da saúde e diabetes: discutindo a adesão e a motivação de indivíduos diabéticos participantes de programas de saúde. Ciênc. saúde coletiva. v. 16, n. 3, p. 2001-2009, 2011. Disponível em: .

FOROUHI NG, et al. Nutritional management and prevention of type 2 diabetes. BMJ. 2018.

FOROUZANFAR MH, et al. Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks in 188 countries, 1990-2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2013. The Lancet. V. 386, n. 10010, p. 2287-2323, 2015.

FLOR LS; CAMPOS MR. Prevalência de diabetes mellitus e fatores associados na população adulta brasileira: evidências de um inquérito de base populacional. Rev. bras. epidemiol., São Paulo , v. 20, n 1, p. 16-29, 2017.

FREITAS LRS; GARCIA LP. Evolução da prevalência do diabetes e deste associado à hipertensão arterial no Brasil: análise da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 1998, 2003 e 2008. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, v. 21, n. 1, p. 07-19, 2012.

HERMAN WH, ZIMMET P. Diabetes tipo 2: uma epidemia que requer atenção global e ação urgente. Diabetes Care. V. 35, n.5, p. 943-944, 2012.

ISER BPM, et al . Prevalência de diabetes autorreferido no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 24, n. 2, p. 305-314, 2015.

INTERNATIONAL DIABETES FEDERATION. Diabetes and Obesity: Urgent Action Needed.

Diabetes atlas. 2017. www.diabetesatlas.org

LIMA J O; SANTANA MA. Elaboração de manual impresso sobre diabetes: diabetes tipo I x alimentação. Cadernos de Graduação. Ciências Humanas e Sociais. Aracaju, v. 13, n.13, p. 31-40, 2011.

LIMA LAP. Qualidade de vida de pacientes com diabetes mellitus tipo 1. Dissertação (Mestrado em Atenção à Saúde) – Universidade Federal do Triângulo Mineiro; Uberaba (MG), 2009.

DE MELLO VD, et al. The effect of different sources of fish and camelina sativa oil on immune cell and adipose tissue mRNA expression in subjects with abnormal fasting glucose metabolism: a randomized controlled trial. Nutr & Diabetes. v. 9, n. 1, 2019. Disponível em: https://doi.org/10.1038/s41387-018-0069-2

MOTTA MDC, et al. Educação em saúde junto a idosos com hipertensão e diabetes: estudo descritivo. UNINGÁ Review. v.18, n.2, p.48-53, 2014.

PETERMANN BX, et al. Epidemiologia e cuidado à Diabetes Mellitus praticado na Atenção Primária à Saúde: uma revisão narrativa. Rev Esc Enferm USP. v. 46, n.5, p. 1125-1132, 2012.

NAPOLI N, et al. Mechanisms of diabetes mellitus-induced bone fragility. Nature Reviews Endocrinology. v.13, n. 4, p.208–219, 2017.

volum

p

SANTOS JC; MOREIRA TMM. Risk factors and complications in patients with hypertension/diabetes in a regional health district of northeast Brazil. Santa Maria Saúde. v. 41, n. 1, p.49-56, 2015.

DA SILVA DB, et al. Associação entre hipertensão arterial e diabetes em centro de saúde da família. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. v. 24, n. 1, p. 16-23, 2011.

SILVA LMC. Aposentados com diabetes tipo 2 na Saúde da Família em Ribeirão Preto, São Paulo – Brasil. Rev Esc Enferm USP. v. 44, p. 462-468, 2010.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes. Princípios para orientação nutricional no diabetes mellitus. Diagraphic. 2015.

TADDEI JA, et al. Nutrição em Saúde Pública. 1 ed. Rio de Janeiro: Rubio, p.309-10, 2011.

URQUIDEZ-ROMERO R, et al. Genetic-life style interactions in type 2 diabetes mellitus development: the pima indians study. Biotecnica. v.17, n.1, p. 40-46, 2015.

SULOCHANA WIJETUNGE RMCJ, et al. Association between serum and adipose tissue resistin with dysglycemia in South Asian women. Nutrition & Diabetes. v. 9, n. 5, 2019.

WHO. Diabetes: Diabetes facts. World Health organization, 2011.

WHO. Physical status: The use of and interpretation of anthropometry, Report of a WHO Expert Committee. World Health Organization, 1995.

WHO. Physical Status: the use and interpretation of anthropometry. Technical Report Series n. 854. Geneva. World Health Organization, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.