A ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES NA INFÂNCIA

Arthur Mendes Rocha, Naylanny Gonçalves Torres Cunha, Luciano Novais de Paula, José Ilton Lima de Oliveira, Marcos Vinícius Oliveira da Cruz, Thainá Furtado Praxedes

Resumo


Objetivo: Compreender como o profissional enfermeiro atua na assistência da prevenção de acidentes na infância baseando-se no caderno de atenção básica nº 33. Método: pesquisa transversal de caráter exploratório-descritiva com abordagem quali-quantitativa realizado no município de Bacabal – MA no ano de 2019 com enfermeiros da ESF – Estratégia Saúde da Família. Resultados: Os resultados obtidos apontaram que setenta por cento (70%) dos enfermeiros não tiveram o tema tratado durante a graduação, sessenta por cento (60%) realizam orientações sobre prevenção de acidentes na infância, o fator “quedas” foi citado por oitenta por cento (80%) pelos participantes como acidente mais frequente e quarenta por cento (40%) mencionaram que a falta de tempo na ESF não permite que o tema seja trabalhado de forma eficiente. Considerações finais: A falta de abordagem do tema na ESF, durante visitas domiciliares e consultas de enfermagem podem se tornar um fator predisponente para o aumento da frequência de acidentes com crianças na comunidade.


Palavras-chave


Enfermeiro, criança, prevenção de acidentes.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Juliane Pagliari et al. História da saúde da criança: conquistas, políticas e perspectivas. Revista brasileira de enfermagem, 2014.

BALOGH, Giovanna. Saiba os riscos de dar pipoca para as crianças pequenas. Disponível em: . Acesso em: 10 de Jan, 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Caderneta de Saúde da Criança: Menina. Brasília, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. CADERNOS DE ATENÇÃO BÁSICA 33 – SAÚDE DA CRIANÇA: CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO. Brasília, DF, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde – Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 2012. Brasília, 12 de Dezembro, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Esquema para profilaxia da raiva humana pós-exposição com vacina de cultivo celular. Brasília, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gestões e gestores de políticas públicas de atenção à saúde da criança: 70 ANOS DE HISTÓRIA. Série I – História da Saúde. Brasília, DF, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Instrumento Gerencial da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente. Brasília, 1995.

BRASIL. Ministério da Saúde. POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DA CRIANÇA: Orientações para implementação. Brasília, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Criança: Materiais informativos. Brasília, 2018. Disponível em: . Acesso em: 28 de Nov, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde da Família: uma estratégia para a reorientação do modelo assistencial. Brasília, 1997.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Secretaria de Políticas de Saúde. Brasília, 2002.

CARDOSO, M. M. (2001). Prevenção de acidentes infantis. Nursing nº 116 , 23-29.

CARVALHO, Silvana Denofre. Principais Acidentes na Infância. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP. Disponível em: . Acesso em: 09 de Jan, 2020.

FERNANDES, Graciete Dinis Cardoso Marques. Intervenção do Enfermeiro na Prevenção de Acidentes na Primeira Infância. ESEL – Escola Superior de Enfermagem de Lisboa. Relatório de Estágio, Curso de Mestrado em Enfermagem: Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria, Lisboa, Portugal, 2013.

FONTENELLE, André. Pesquisa Descritiva, Exploratória ou Explicativa: Descubra qual é a sua e se livre desse problema!. 2017. (8m20s). Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2018.

GIL, Antonio Carlos. MÉTODOS E TÉCNICAS DE PESQUISA SOCIAL. Editora Atlas, Ed. 6. São Paulo, 2008.

HABICHT, J.P. et al. Height and weight standards for preschool children. How relevant are ethnics differences in growth potencial? Lancet, n. 1, p. 661-4, 1974.

Informação fornecida pela coordenadora da Estratégia de Saúde da Família – SEMUS Bacabal, Danielle Rodrigues de Sousa, em Junho de 2019.

LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica, 6 ed. São Paulo, Atlas, 2007.

MARTINS, Christine Baccarat de Godoy. Acidentes na infância e adolescência: uma revisão bibliográfica. Revista brasileira de enfermagem, vol. 59, n. 3. Brasília, DF, 2006.

MATTOS, I. E. Morbidade por causas externas em crianças de 0 a 12 anos: uma análise dos registros de atendimento de um hospital do Rio de Janeiro. Inf. Epidemiol. SUS, v. 10, n. 4, p.189-198, dez. 2001.

MENDES, Isabel Cristina Melo. Perfil epidemiológico da raiva humana no Brasil. Disponível em: . Acesso em 29 de Dez, 2019.

ONG Criança Segura. Criança Segura divulga análise das principais causas acidentais de mortalidade infantil. Disponível em: . Acesso em 14 de Fev. 2019.

ONG Criança Segura. Os acidentes em número: conheça os dados sobre os acidentes. Disponível em: . Acesso em: 04 de Dez, 2019.

ONG Criança Segura. QUEDAS: POR QUE ACONTECEM E QUAIS OS RISCOS ÀS CRIANÇAS? Disponível em: http://criancasegura.org.br/noticia/quedas-por-que-acontecem-e-quais-os-riscos-as-criancas/?gclid=Cj0KCQiAvJXxBRCeARIsAMSkApoDkA6DO9xyDr-dDJXdsDfVwf6ihK1ypLl5Az5eL7mAC-ndThkQ_iQaAmpfEALw_wcB. Acesso em: 18 de Out, 2019.

PASTORAL DA CRIANÇA. Crianças são as maiores vítimas de acidentes com brinquedos. Disponível em: . Acesso em: 16 de Nov, 2019.

PROCON – SP. Segurança de Brinquedos. Disponível em: . Acesso em: 07 de Out, 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 22. VIGILÂNCIA EM SAÚDE: Zoonoses. Brasília, 2009.

RAMOS, Teresa Maria Cruz Fernandes. Prevenção de acidentes domésticos na criança: comportamento parental. Instituto Politécnico de Viseu, Escola Superior de Saúde de Viseu. Mestrado em Enfermagem de Saúde Infantil e Pediatria. Viseu, Portugal, 2017.

REDE NACIONAL PRIMEIRA INFÂNCIA. Mapeamento da Ação Finalística: Evitando Acidentes na Primeira Infância. Fortaleza, 2014.

RODRIGUES, Edvane Mauricio da Silva et. al. ACIDENTES DOMÉSTICOS INFANTIS: AS AÇÕES DO ENFERMEIRO COMO FERRAMENTA PARA PREVENÇÃO. Revista Brasileira de Enfermagem. Recife, 2013.

SETE EM CADA DEZ PAIS NÃO OBSERVAM RECOMENDAÇÕES DE SEGURANÇA EM BRINQUEDOS, ALERTA PROCON. Bom dia Brasil, Rio de Janeiro, 07 Out. 2019. Disponível em . Acesso em: 07 de Out. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.