AVALIAÇÃO DA MORTALIDADE POR CÂNCER DE PRÓSTATA NO ESTADO DO PIAUÍ, 2009-2019

Larissa Pereira Luana, Alan Oliveira de Araújo, Tammiris Juliane Dias Dos Santos, Milena France Alves Cavalcante, Marcelo Moura Carvalho, Filipe Augusto De Freitas Soares

Resumo


Objetivo: caracterizar o câncer de próstata segundo as variáveis sócio-demográficas e clínica a partir de dados DATASUS. Método: pesquisa transversal, retrospectiva, descritiva de cunho exploratória e abordagem quantitativa, desenvolvida a partir de dados secundários, publicados no DATASUS/MS, sobre a mortalidade de próstata, entre os meses de janeiro de 2009 a dezembro de 2019. Resultados: ocorreu nesse período 2.481 mortes. A faixa etária, mais acometida foi a dos 80 anos de idade, (79,3%). A cor parda, (41.9%), os homens com até oito anos de escolaridade (79.3%). Conclusão: o perfil sociodemográfico de morbimortalidade por câncer de próstata em Teresina-Piauí apresenta inclinação para grupos populacionais específicos, homens da faixa etária dos 80 anos de idade, de cor parda, com baixa escolaridade.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, J. O. M.; SANTOS, C.A.S.T., OLIVEIRA, M. C. Fatores associados ao câncer de boca: um estudo de caso-controle em uma população do Nordeste do Brasil. REV BRAS EPIDEMIOL; v.18, n.4, p. 894-905 out/dez. 2015.

BATISTA, D. R. R.; MATTOS, M.; SILVA, S.F. Convivendo Com O Câncer: Do Diagnóstico Ao Tratamento. Rev Enferm UFSM; v.5, n.3, p. 499- 510, Jul/ Set.2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Políticas Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: princípios e diretrizes /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas – Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

________Ministério da Saúde. Câncer mata pelo menos 8 milhões de pessoas todos os anos. Brasil, 2018.

DEMO, Pedro. Metodologia Científica em Ciências Sociais. 3a edição, Revista e Ampliada. São Paulo: Atlas: 1995.

MODESTO, A. A. D. et al.Um novembro não tão azul: debatendo rastreamento de câncer de próstata e saúde do homem. Interface, comunicação e saúde, v. 12, n. 4, p. 34-43, 2017.

RAMOS, F. P. et al. Câncer de próstata: revisão geral da literatura acerca dos diversos aspectos da doença. IV Seminário Científico da FACIG – 08 e 09 de Novembro de 2018.

SILVA, C. M. G. C; CARVALHO JÚNIOR, J. E. Perfil Epidemiológico da Mortalidade por Câncer de Próstata no Estado do Piauí. Revista Interdisciplinar UNINOVAFAPI, v. 12, n. 43, p. 45- 54, fev. 2019.

SILVA, I. C; SILVA, L. B. Frequência de Internação por HPB (Hiperplasia Prostática Benigna) na Região Centro-Oeste do Brasil. Revista da AMRIGS, v. 54, n. 4, p. 471-477, jun, 2016.

TERESINA, Fundação Municipal de Saúde. Coordenação de Ações Estratégicas. Gerência de Atenção Básica. Protocolo de Enfermagem na Atenção Básica e Ambulatórios do Município de Teresina. Teresina: 2012.

Submissão: 03-10-2020 Aprovação: 17-11-2020

MOURA EC. et al. Atenção à saúde dos homens no

âmbito da estratégia saúde da família. Ciênc

Saúde Coletiva;v.19, n.2, p.429-38, 2014.

PINHEIRO, F. P. G. et al. Conhecimento e Atitudes

sobre o Câncer de Próstata no Brasil: Revisão

Integrativa. Revista Brasileira de Cancerologia; v.

, n.4, p. 561-567, 2016.

SANTANA, E. N. et al. A atenção à saúde do

homem: ações e perspectivas dos enfermeiros.

Revista Mineira de Enfermagem, v. 15, n.3, p:

HENZ G. S. et al. A Inclusão Paterna Durante o

-53, 2015.

Pré-Natal. Rev.Enferm Atenção Saúde, v. 6, n.1,

p:52-66, Jan/Jun; 2017.

INCA. Instituto Nacional de Câncer. Diretrizes

brasileiras para o rastreamento do câncer de

Próstata. Rio de Janeiro: INCA; 2018.

INSTITUTO VENCER O CÂNCER. Câncer de próstata:

tratamentos. Brasil, 2017. Disponível em:

https://www.vencerocancer.org.br/tipos-de-

cancer/cancer-de-prostata-tipos-de-

cancer/tratamento-9/ >Acesso 1 set. 2019.


Apontamentos

  • »