PERCEPÇÃO DE FISIOTERAPEUTAS INTENSIVISTAS APÓS A IMPLEMENTAÇÃO DE UM PLANO TERAPÊUTICO VOLTADO PARA PACIENTES CRÍTICOS

Cleidiane da Silva Andrade, Rafael Ângelo Araújo, Aliane Suely de Souza Mendes Mouta, Priscila Cavalcante Sá, Allan Oliveira de Lira, Antônio Vinicius Correa Barbosa

Resumo


Objetivo: Verificar a percepção de fisioterapeutas intensivistas após a implementação de um Plano Terapêutico voltado para pacientes críticos. Metodologia: Pesquisa do tipo transversal e observacional. Após a implantação do Plano Terapêutico nas Unidades de Terapia Intensiva de hospitais público e privado foi utilizado questionário estruturado do tipo fechado contendo 11 perguntas sobre Plano Terapêutico. Resultado: A amostra foi constituída por 38 participantes, maioria do sexo feminino (68,4%). Os fisioterapeutas tiveram percepção positiva do Plano Terapêutico após sua implementação nas Unidades de Terapia Intensiva não havendo diferença estatística entre rede privada e pública com relação a esta ferramenta ser eficaz para uma reabilitação precoce no serviço (p= 1.000) e nos desfechos clínicos favoráveis aos pacientes (p= 0.109). Conclusão: Após implementação de um Plano Terapêutico em Unidade de Terapia Intensiva voltado para pacientes críticos, houve percepção positiva desse dispositivo pelos profissionais Fisioterapeutas no manejo e desfecho dos pacientes durante a prática assistencial.


Palavras-chave


Unidade de Terapia Intensiva, Fisioterapeutas, Reabilitação, Gestão em Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ASSEGA et al. Projeto terapêutico singular e equipe multiprofissional no manejo de caso clínico complexo: relato de experiência. Rev enferm UFPE online, v.9, n.4, p.7482-8, 2015.

AZEVEDO, PMDS; GOMES, BP. Efeitos da mobilização precoce na reabilitação funcional em doentes críticos: uma revisão sistemática. Rev. Enf. Ref. v.4, n.5, p.129-138, 2015.

BARROS ERS; ELLERY AEL. Colaboração interprofissional em uma Unidade de Terapia Intensiva: desafios e possibilidades. Rev Rene. v.17, n.1, p.10-9, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, Equipe de referência e projeto terapêutico singular. 2.ª edição. Série B. Textos Básicos de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

DINGLAS, VD et al. A quality improvement project sustainably decreased time to onset of active physical therapy intervention in patients with acute lung injury. Annals of the American Thoracic Society, v. 11, n.8, p. 1230-8, 2014.

HASHEM MD, PARKER AM, NEEDHAM DM. Early mobilization and rehabilitation of patients who are critically ill. Chest. v.150, p. 722–31, 2016.

JANG, MH et al. Pulmonary and Physical Rehabilitation in Critically Ill Patients. Acute and critical care, v. 34, n.1, p. 1-13, 2019.

LINASSI et al. PROJETO TERAPÊUTICO SINGULAR: Vivenciando Uma Experiência de Implementação. Revista Contexto e Saúde, v.10, n.20, 2011.

MAYER, KP et al. Safety, Feasibility, and Efficacy of Early Rehabilitation in Patients Requiring Continuous Renal Replacement: A Quality Improvement Study. Kidney international reports, v.5, n.1, p. 39-47, 2019.

MOURA, MMN. Implementação do Plano Terapêutico para redução do período de internação em uma unidade de clínica médica de um hospital público do Estado de São Paulo. Anais do V SINGEP – São Paulo, 2016.

MONDADORI et al. Humanização da fisioterapia em Unidade de Terapia Intensiva Adulto: estudo transversal. Fisioter Pesqui. v.23, n.3, p.294-300, 2016.

MCWILLIAMS D et al. Enhancing rehabilitation of mechanically ventilated patients in the intensive care unit: A quality improvement Project. Journal of Critical Care, v.30, p.13-18, 2015.

NOVARETTI, M. C. Z.; QUITÉRIO, L. M.; SANTOS, E. V. D. Gestão em Unidades de Terapia Intensiva Brasileiras: Estudo Bibliométrico dos Últimos 10 Anos. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 12, n. 4, p. 16-33, 2015.

NYDAHL P et al. Netzwerk Frühmobilisierung. Med Klin Intensivmed Notfmed, v.115, n.6, p. 498-504, 2020.

REID, JC et al. Therapist perceptions of a rehabilitation research study in the intensive care unit: a trinational survey assessing barriers and facilitators to implementing the CYCLE pilot randomized clinical trial. Pilot and feasibility studies, v. 5, p. 131, 2019.

CONSELHO FEDERAL DE FISIOTERAPIA E TERAPIA OCUPACIONAL. RESOLUÇÃO Nº 414/2012. COFFITO, 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 de fev. de 2020.

RUSSO RC et al. Perfil de formação profissional dos fisioterapeutas das unidades de terapia intensiva da cidade de Maceió. ASSOBRAFIR Ciência, v.3, n.2, p.21-30, 2012.

SILVA et al. Projeto Terapêutico Singular como Estratégia de Prática da Multiprofissionalidade nas Ações de Saúde. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v.17, n.2, p.197-202, 2013.

SOUSA F. T. L. et al. Projeto terapêutico singular: uma ferramenta de promoção da saúde do idoso. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v.24 n.24, p.e659, 2019.

SCHUJMANN, DS et al. Impact of a Progressive Mobility Program on the Functional Status, Respiratory and Muscular Systems of ICU Patients: A Randomized and Controlled Trial. Crit Care Med., v.20, n.30, p.1-9, 2019.

VASCONCELOS SC et al. The singular therapeutic project as an interdisciplinary care strategy to the alcohol and/or other drugs user. European Psychiatry. v.41, p. S859-S860, 2017.

VECINA, GN. Unidade de Tratamento Intensivo in: Vecina, G. Neto, & Malik, A. M. (2012). Gestão em Saúde. São Paulo.p.224-226.

ZHANG L et al. Application of early exercise safety management in patients undergoing mechanical ventilation in intensive care unit. Chinese Critical Care Medicine, v.32 n.07, p. 840-845, 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.