PERFIL PÔNDERO-ESTATURAL DE CRIANÇAS NO ESTADO DO CEARÁ

Maria Raquel da Silva Lima, Iara Sombra Régis, Ribanna Aparecida Marques Braga, KAMILLA DE OLIVEIRA PASCOAL, Kayse Najara Matos Damasceno

Resumo


Objetivo: Avaliar o perfil pôndero-estatural de crianças no estado do Ceará. Métodos: Pesquisa retrospectiva, descritiva e transversal com abordagem quantitativa. A classificação do estado nutricional ocorreu com crianças da 7ª Região de Saúde do estado do Ceará, cujo os dados foram coletados do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN) referentes a janeiro de 2015 à dezembro de 2019. Para classificar o estado nutricional, utilizou-se a altura/idade, peso/idade e Índice de Massa Corporal (IMC) para idade, referentes aos anos de 2015 a 2019, totalizando 16.633 crianças. Resultados: No IMC/idade, o maior percentual de crianças eutróficas foi em 2015, 57,37% (n=1.736), havendo redução dessa porcentagem ao longo dos anos e aumento do sobrepeso e obesidade. Conclusão: O estado nutricional esteve adequado em sua maioria, mas apesar da eutrofia ser prevalente, os valores de sobrepeso e obesidade remetem preocupação, visto que vêm aumentando ao longo dos anos.


Palavras-chave


Estado nutricional. Criança. Vigilância Alimentar e Nutricional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABARCA-GÓMEZ, L. et al. Worldwide trends in body-mass index, underweight, overweight, and obesity from 1975 to 2016: a pooled analysis of 2416 population-based measurement studies in 128·9 million children, adolescents, and adults. The Lancet. v. 390, n. 10113, p. 2627–2642, dez. 2017.

BRASIL. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Ministério da Saúde. Marco de referência da vigilância alimentar e nutricional na atenção. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Nutricionista do PNAE. Manual de apoio para atividades técnicas do nutricionista no âmbito do PNAE / Programa Nacional de Alimentação Escolar. Brasília: FNDE, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual operacional para uso do sistema de vigilância alimentar e nutricional. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Alimentação e Nutrição. 1.ed. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Saúde. Programa Crescer Saudável– 2019-2020. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

COSTA, M. C. et al. Estado nutricional, práticas alimentares e conhecimentos em nutrição de escolares. Revista de Atenção à Saúde. v. 16, n. 56, p. 12-17, 2018.

ESPÍNDOLA, R. M.; SARDINHA, L. M. V.; GALANTE, A. P. Crianças de zero a dez anos. In: Rossi L, Caruso L, Galante AP. Avaliação nutricional: novas perspectivas. 2.ed. São Paulo: Roca; 2009. p.163-338.

FREITAS, A. G. et al. Comparação do estado nutricional em crianças de cinco a dez anos de idade beneficiárias do Programa de transferência de dinheiro condicional nos Estados do Acre e do Rio Grande do Sul, Brasil. Journal of Human Growth and Development. v. 27, n. 1, p. 35-41, jan. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009: Antro¬pometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 2010a.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de orçamentos familiares 2017-2018: avaliação nutricional da disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Rio de Janeiro: IBGE, 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). População no último censo [2010]. Rio de Janeiro: IBGE, 2010b.

NASCIMENTO, F.A.; SILVA, A.S.; JAIME, P. C. Cobertura da avaliação do estado nutricional no Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional brasileiro: 2008 a 2013. Caderno de Saúde Pública. v. 33, n. 12, dez. 2017.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE/ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE - BRASIL (OPAS/OMS BRASIL). OPAS e Ministério da Saúde promovem encontro regional sobre ações para prevenção da obesidade infantil. 2017. Disponível em:https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5956:opas-e-ministerio-da-saude-promovem-encontro-regional-sobre-acoes-para-prevencao-da-obesidade-infantil&Itemid=839. Acesso em: 22 jun. 2020.

PEDRAZA, D. F. et al. Estado nutricional e hábitos alimentares de escolares de Campina Grande, Paraíba, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. v. 22, n. 2, p. 469-477, 2017.

PRADO, M. T. A. et al. Anthropometric profile, eating habits and physical activity levels of students in a city in the state of São Paulo. MedicalExpress (Sao Paulo, online). v. 3, n. 6, 2016.

ROMANHOLO, R. A. et al. Transição nutricional e obesidade em escolares da zona rural no município de Cacoal-RO. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. v. 11, n. 66, p. 359-365, 2017.

SECRETARIA DA SAÚDE (SESA). Coordenadorias Regionais de Saúde. 2018. Disponível em: https://www.saude.ce.gov.br/2018/07/03/coordenadorias-regionais/. Acesso em: 24 jun. 2020.

SILVA, D. A. S.; NUNES, H. E. G. Prevalence of underweight, overweight and obesity in poor children from Mato Grosso do Sul. Revista Brasileira de Epidemiologia. v. 18, n. 2, p. 466-475, 2015.

TEIXEIRA, D. B. S. Atenção à saúde do homem: análise da sua resistência na procura dos serviços de saúde. Revista Cubana Enfermagem. v. 32, n. 4, dez. 2016.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO). The double burden of malnutrition. Policy brief. Geneva: World Health Organization. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.