EFICIÊNCIA DO GASTO PÚBLICO VOLTADO À ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE EM UM MUNICÍPIO BRASILEIRO

Jocélio Ramalho da Silva, Jássio Pereira de Medeiros

Resumo


Objetivo: analisar o repasse de recursos para a atenção primária no município de Canguaretama/RN, no período de 2010 a 2019 e relacionar esse repasse com os produtos entregues à população e provenientes desses repasses. Método: Trata-se de estudo descritivo que levantou os valores dos repasses federais ao município, na modalidade fundo a fundo; a cobertura populacional na atenção básica; os quantitativos de atendimentos individuais; os procedimentos e visitas domiciliares realizadas na atenção básica; e o quantitativo de servidores da saúde. Resultados: os repasses federais vêm aumentando a cada ano, sendo maiores na atenção básica, permitindo a cobertura de 99,85% da população com a atenção básica. O quantitativo de servidores da saúde é amplo e em maior número entre aqueles de nível superior. Conclusão: houve aumento nos investimentos em saúde no município, acompanhando o aumento dos repasses de financiamento na saúde local.


Palavras-chave


Sistema Único de Saúde, Atenção primária a saúde, investimento público em saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, C.E.L.; GONÇALVES, G. Q.; MACHADO, J. A. Os municípios brasileiros e os gastos próprios com saúde: algumas associações. Ciência & Saúde Coletiva, v. 22, p. 953-963, 2017.

BOUERI, R.; ROCHA, F.; RODOPOULOS, F. Avaliação da qualidade do gasto público e mensuração da eficiência. Brasília: Secretaria do Tesouro Nacional, 2015.

BRAGA, G. B.; FERREIRA, M. A. M.; BRAGA, B. B. A Eficiência da Atenção Primária à Saúde: Avaliando Discrepâncias. Administração Pública e Gestão Social, v. 7, n. 2, p. 100-107, 2015.

LEITE, J. A. et al. Efetividade dos princípios do Sistema Único de Saúde na atenção primária à saúde: revisão sistemática. Revista de APS, v. 21, n. 2, 2018.

MAZON, L. M.; MASCARENHAS, L. P. G.; DALLABRIDA, V. R. Eficiência dos gastos públicos em saúde: desafio para municípios de Santa Catarina, Brasil. Saúde e Sociedade, v. 24, n. 1, p. 23-33, 2015.

MENDES, Á.; CARNUT, L.; GUERRA, L. D. S. Reflexões acerca do financiamento federal da Atenção Básica no Sistema Único de Saúde. Saúde em Debate, v. 42, p. 224-243, 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria no 1.602, de 9 de julho de 2011. Define o valor mínimo da parte fixa do Piso de Atenção Básica (PAB), para efeito do cálculo do montante de recursos a ser transferido do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde dos Municípios e do Distrito Federal. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria de Consolidação no 02, Anexo XXII, de 28 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 2.539, de 26 de setembro de 2019. Altera as Portarias de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, e nº 6, de 28 de setembro de 2017, para instituir a equipe de Atenção Primária - eAP e dispor sobre o financiamento de equipe de Saúde Bucal - eSB com carga horária diferenciada. Diário Oficial da União. Brasília: Ministério da Saúde, 2019.

OPAS. ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE. Relatório 30 anos de SUS, que SUS para 2030? Brasília: OPAS; 2018.

RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria de Estado do Planejamento e das Finanças. Portal da Transparência. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2020.

SCHULZ, S. J. et al. Ranking Das Unidades Federativas Brasileiras Frente ao seu Desempenho na Gestão de Recursos da Saúde. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 3, n. 2, 2014.

SILVA, J. L. M.; QUEIROZ, M. F. M. Eficiência na gestão da saúde pública: uma análise dos municípios do Estado do Rio Grande do Norte (2004 e 2008). Planejamento e Políticas Públicas, n. 50, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.