Perfil das vítimas de trauma atendidos pelo serviço de atendimento móvel de urgência

Isabel Cristina Cavalcante Moreira Carvalho, Isabel Sá Saraiva

Resumo


Trauma é toda lesão que cause alterações físicas ou funcionais ao organismo, ocorrendo de forma física, química ou acidental; podendo ser aberto ou fechados. Objetivo: traçar a epidemiologia do trauma na realidade local; caracterizar vítima de trauma quanto à idade, sexo e indícios de ingestão de bebidas alcoólicas; verificar o nível de consciência dos pacientes, identificar os mecanismos e os tipos de trauma. Pesquisa quantitativa retrospectiva baseada em análise documental do sistema de informação do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - Teresina-PI. Coleta de dados: realizada através da ficha de atendimento. Resultados: organizados através de tabelas e gráficos e analisados através de cálculos estatísticos. Houve a predominância de queda como mecanismo de trauma e a região corpórea mais atingida foram os membros inferiores. Escala de Coma de Glasgow prevalente foi 15. Tipo e exposição de trauma: prevalência do trauma aberto; gênero masculino; faixa etária de 20 a 29 anos.

 

Descritores: Enfermagem; Violência; Acidentes.


Palavras-chave


enfermagem

Texto completo:

PDF

Referências


(1) SANTANA, V.R.; FEITOSA, M.F.G. Avaliação epidemiológica das vítimas de trauma abdominal submetidas ao tratamento cirúrgico. Rev.Col. Bras.Cir. v.39, n 4. Rio de Janeiro. July/Ago. 2012.

(2) MASCARENHAS, M.D.M; PEDROSA, A.A.G. Atendimentos de emergência por violência em serviços públicos de Teresina, PI. RevBrasEnferm, Brasília 2008 jul-ago; 61(4): 493-9. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672008000400016. Acesso em fevereiro de 2014, as 16:00.

(3) OLIVEIRA, J.M. Diagnóstico e intervenções de enfermagem em vítimas de trauma durante atendimento pré-hospitalar utilizando a CIPI. Maceió, 2013. Disponível em: Acessoem:15 mai. 2013.PHTLS/ NAEMT: Atendimento pré-hospitalar ao traumatizado. 7ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

(4) BRASIL. Ministério da Saúde. Violência por arma de fogo no Brasil. São Paulo. 2010.

(5) MINAYO, M.C.S et al. Pesquisa Social: teoria método e criatividade. Rio de Janeiro: Vozes. 2006.

(6) MALTA, D.C. et al. Características e fatores associados às quedas atendidas em serviços de emergência. Rev Saúde Pública 2012;46(1):128-37. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-89102012000100016&script=sci_arttext. Acesso em dezembro de 2013, as 19:00.

(7) CHAVAGLIA, S.R.R. et al. Vítimas de trauma por causas externas na cidade de Uberaba-MG. O Mundo da Saúde São Paulo: 2008: jan/mar 32(1):100-106. Disponível em http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=498668&indexSearch=ID. Acesso em junho de 2013, as 22:00.

(8) LIMA, S.O. et al. Avaliação epidemiológica das vítimas de trauma abdominal submetidas ao tratamento cirúrgico. Rev. Col. Bras. Cir. 2012; 39(4): 302-306. Disponivel em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-69912012000400010. Acesso em 03 de Junho de 2013, ás 15;00.

(9) ANDRADE, S.S.C.A. et al. Perfil das vítimas de violências e acidentes atendidas em serviços de urgência e emergência selecionados em capitais brasileiras: Vigilância de Violências e Acidentes, 2012. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 21(1):21-30, jan-mar 2012. Disponível em http://scielo.iec.pa.gov.br/scielo.php?pid=S1679-49742012000100003&script=sci_arttext. Acesso em abril de 2014, as 10:00.

(10) NETA, D. S. R. et al. Perfil das ocorrências de politrauma em condutores motociclísticos atendidos pelo SAMU de Teresina-PI. RevBrasEnferm, Brasília 2012 nov-dez; 65(6): 936-41. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n6/a08v65n6.pdf. Acesso em abril de 2014, as 20:00

(11) GONÇALVES, R; JUNIOR, R.S. Vias de acesso aos grandes vasos mediastinais no trauma Torácico. Rev. Col. Bras. Cir. 2012; 39(1): 064-073. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/rcbc/v39n1/a13v39n1.pdf. Acesso em novembro de 2013, as 15:00.

(12) SETTERVALL, C. H .C; SOUSA, R. M. C. Escala de coma de Glasgow e qualidade de vida pós- trauma crânioencefálico. São Paulo. 2011.

(13) KOIZUMI, M.S; ARAÚJO, G.L. Escala de Coma de Glasgow – subestimação em pacientes com respostas verbais impedidas. Acta Paul Enferm2005;18(2):136-42. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ape/v18n2/a04v18n2.pdf. Acesso em janeiro de 2014.

(14) LINS, C.V.; ARAUJO, D.C.C.; RIBEIRO, M.L.S; LAUREANO FILHO, J.R. Lesão de tecido mole em pacientes vítimas de trauma buco-maxilo-facial. Rev.Cir.Traumatol. buco-maxilo-facial. UFPE. 2013.

(15) NORDOTO, E.M.L; DINIZ, J.M.T; CUNHA, C.E.G. Perfil da vítima atendida pelo Serviço Pré-hospitalar Aéreo de Pernambuco. RevEscEnferm USP 2011; 45(1):237-42. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n1/33.pdf. Acesso em junho de 2013, as 12:00.

(16) SOUZA, R.M.C. Caracterização dos cuidadores de vítimas de trauma crânio-encefálico em seguimento ambulatorial. Rev.Esc.Enferm. USP [online] 2005. Vol.39, n 3, p. 343-349. São Paulo. 2005.

(17) VASCONCELOS, E. C. L.M; RIBEIRO, M. Caracterização clínica das situações de fratura da coluna vertebral no município de Ribeirão Preto: proposta para um programa de prevenção do trauma raquimedular. Ribeirão Preto. 2011.

(18) RIBAS-FILHO, J.M. et al. Trauma abdominal: estudo das lesões mais frequentes do sistema digestório e suas causas. abcd ArqBrasCirDig 2008;21(4): 170-4. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-67202008000400004&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em abril de 2014, as 19:00.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.