O uso de tecnologias em saúde na consulta: uma análise reflexiva

Danielly Zilma de Sousa Honorato, Karoline Queiroz Lima Martins, Samara Karine Sena Fernandes Vieira, Sílvia Amélia Prado Burgos Madeira Campos, Camila Aparecida Pinheiro Landim-Almeida

Resumo


O objetivo deste estudo foi promover uma reflexão sobre a utilização de tecnologias em saúde na consulta. Foi realizado um estudo descritivo, tipo análise reflexiva, abordando referências teóricas sobre a realização de consultas nos serviços de saúde, com ênfase na utilização das tecnologias em saúde. Encontrou-se que durante uma consulta utiliza-se de diversas tecnologias para imprimir um desfecho satisfatório. O acolhimento feito pelos profissionais, sua relação com o usuário, acesso, vínculo e as emoções compartilhadas estão na tecnologia leve. O conhecimento técnico e científico do profissional está relacionado à tecnologia leve-dura, predominante nas consultas. Ao utilizar-se de rotinas e equipamentos para realização de exames ou outros procedimentos, tem-se a presença da tecnologia dura. Constatou-se que é indispensável um maior conhecimento dos profissionais e das atribuições conferidas ao emprego das tecnologias em saúde nas consultas, seu alcance e como elas podem alterar as metodologias de trabalho. 

Palavras-chave


Tecnologia. Saúde. Consulta. Serviços de Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


SÁ NETO, J. A.; RODRIGUES, B. M. R. D. Tecnologia como fundamento do cuidar em neonatologia. Texto e Cont. Enferm. [Internet], Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 372-377, 2010. Disponível em: . Acesso em: 9 mar. 2015.

KOERICH, M. S.; BACKES, D. S.; SCORTEGAGNA, H. M.; LOEWEN WALL, M.; VERONESE, A. M.; ZEFERINO, M. T. et al. Tecnologias de cuidado em saúde e enfermagem e suas perspectivas filosóficas. Texto e Cont. Enferm. [Internet], Florianópolis, v. 15, n. esp., p. 178-185, 2006. Disponível em: . Acesso em: 9 mar. 2015.

FERRI, S. M. N.; PEREIRA, M. J. B.; MISHIMA, S. M.; CACCIA-BAVA, M.C.G. et al. As tecnologias leves como geradoras de satisfação em usuários de uma unidade de saúde da família. Interface - Com., Saúde, Educ. [Internet], Marília, v. 11, n. 23, p. 515-529, 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2015.

SAPAROLLI, E. C. L.; ADAMI, N. P. Avaliação da estrutura destinada à consulta de enfermagem à criança na atenção básica. Rev. Esc. Enferm. USP [Internet], São Paulo, v. 44, n. 1, p. 92-98, 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2015.

MACIEL, I. C. F.; ARAÚJO, T. L. Consulta de enfermagem: análise das ações junto a programas de hipertensão arterial, em Fortaleza. Rev. Latino-Am. Enf. [Internet], Ribeirão Preto, v. 11, n. 2, p. 207-2014, 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2015.

SILVA, R. C.; FERREIRA, M. A. A tecnologia em saúde: uma perspectiva psicossociológica. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. [Internet], Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 169-173, 2009. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ean/v13n1/v13n1a23.pdf>. Acesso em: 12 mar. 2015.

BALDUINO, A. F. A.; MANTOVANI, M. F.; LACERDA, M. R. O processo de cuidar de enfermagem ao portador de doença crônica cardíaca. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. [Internet], Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 342-351, 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.

MOURA, M. E. B.; BRITO, J.N.P.O.; SOUSA, C. M. M. et al. A estratégia saúde da família e as tecnologias em saúde: análise reflexiva. Rev. Enferm. UFPE On line. [Internet], Recife, v. 8, n. 7, p. 2155-2159, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.

BASTOS, G. A. N.; FASOLO, L. R. Fatores que influenciam a satisfação do paciente ambulatorial em uma população de baixa renda. Rev. Bras. Epidemiol. [Internet], v. 16, n. 1, p. 114-124, 2015. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2015.

MARTINS, J. J.; ALBUQUERQUE, G. L. A utilização de tecnologias relacionais como estratégia para humanização do processo de trabalho em saúde. Ciênc. Cuid. Saude. [Internet], Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 351-356, 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 mar. 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.