Avaliação da rotulagem e qualidade de diferentes marcas de cerveja tipo pilsen

Anderson Wilbur Lopes Andrade, Ermeson Fablo Bezerra Lima, Lyghia Maria Araújo Meirelles

Resumo


A cerveja tipo caracteriza-se pela sua refrescância, leveza, amargor e baixo teor alcoólico. Sua qualidade está constantemente associada à satisfação do consumidor. Este estudo buscou verificar o cumprimento das determinações estabelecidas pela legislação brasileira no seguimento cervejeiro. Investigaram-se os parâmetros físico-químicos de seis marcas de cervejas do tipo Pilsen e as informações presentes na rotulagem. Os resultados obtidos demostraram que todas as marcas estudadas apresentaram em seus rótulos os itens obrigatórios, exceto a Marca D. Admitiu-se que houve diferença significativa (p < 0,05) de alguns parâmetros com as especificações previstas na legislação e descritas na rotulagem. Dentro das condições experimentais deste trabalho, concluiu-se que as empresas cervejeiras cumprem as determinações estabelecidas pela legislação brasileira, quanto à rotulagem, exceto as que produzem a Marca D. As marcas A, B, D e E não atenderam alguns dos parâmetros físico-químicos analisados, apresentando desvio na qualidade.


Palavras-chave


Cerveja, Pilsen, Qualidade, Parâmetros Físico-Químicos, Legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


ANIRSF. Guia para a Rotulagem das Bebidas, Refrigerantes, Sumos de Frutos e Néctares. Associação Nacional dos Industriais de Refrigerantes e Sumos de Frutos, p. 1–15, 2004.

ARRUDA, I. N. Q. DE; PEREIRA JÚNIOR, V. A.; GOULART, G. A. S. Produção de cerveja com adição de polpa de murici (Byrsonima Ssp.). Revista Eletrônica da Univar, v. 2, n. 10, p. 129–136, 2013.

ASSICIAÇÃO BRASILEIRA DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Cervejas com qualidade e sabor. Pro Teste, n. 4, p. 7–13, 2002.

ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALYTICAL CHEMISTS. Official methods of analysis of the Association of Official Analytical Chemists (method 926.12). v. 552, n. Arlington: A.O.A.C., 1996 apud Instituto Adolfo Lutz. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo, 2008.

BATISTA, P. R. Manual de boas praticas. indústria e comércio de bebidas Imperial S/A. Goiáis, 2008.

BRASIL. Portaria no 76 de 26 de novembro de 1986. Dispõe sobre os métodos analíticos de bebidas e vinagre. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1986.

BRASIL. Lei Federal no 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990.

BRASIL. Resolução RDC no 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova Regulamento Técnico sobre Rotulagem Nutricional deAlimentos Embalados, tornando obrigatória a rotulagem nutricional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2003.

BRASIL. Lei no 8.918, de 14 de julho de 1994. Dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2009.

BRUNELLI, L. T.; MANSANO, A. R.; VENTURINI, W. G. Caracterização físico-química de cervejas elaboradas com mel. Brazilian Journal of Food Technology, v. 17, n. 1, p. 19–27, 2014.

CURI, R.; VENTURINI, W.; NOJIMOTO, T. Produção de cerveja utilizando cevada como adjunto de malte: análises físico-química e sensorial. Brazilian Journal of Food Technology, v. 12, n. 02, p. 106–112, 2009.

DANISCO BRASIL. Enzimas da Danisco na fermentação. Food Ingredients Brasil, p. 40–42, 2011.

FERREIRA, V. S.; MARTINS, P. K. B.; TRINDADE, J. L. F.; TOZETTO, L. M. Produção de cerveja artesanal com gengibre. In: 8° ENGENHARIA E TECNOLOGIA DOS CAMPOS GERAIS, 2013.

GÓMEZ-CORONA, C.; ESCALONA-BUENDÍA, H. B.; GARCÍA, M.; CHOLLET, S.; VALENTIN, D. Craft vs. industrial: Habits, attitudes and motivations towards beer consumption in Mexico. Appetite, 2015.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4. ed. São Paulo: 2008.

MAPA. Rotulagens e Emabalgens. Ministério da Agricultura, 2015. Disponível em: . Acesso em 30 set. 2015.

MEGA, J. F.; NEVES, E.; ANDRADE, RISTIANO J. DE. A produção da cerveja no brasil. Revista CITINO, v. 1, n. 1, p. 34–42, 2011.

MENEGHIN, M. C. Avaliação do processo de produção de cachaça em pequenas empresas em relação às Boas Práticas de Fabricação. 2012. 76 s. [Tese] Universidade Estadual Paulista, Araraquara.

OLIVEIRA, M. DE. Cerveja brilhante. Revista Pesquisa FAPESP, n. 204, p. 50–55, 2013.

QUAIN, D. E. Assuring the microbiological quality of draught beer. [s.l.] Elsevier, 2015.

RAPOSO, A.; CARRASCOSA, C.; PÉREZ, E.; SAAVEDRA, P.; SANJUÁN, E.; MILLÁN, R. Vending machines: food safety and quality assessment focused on food handlers and the variables involved in the industry. Food Control, v. 56, p. 177–185, abr. 2015.

SILVA, A.; HENRIQUE, P.; FARIA, D.; CAROLINA, F.; HENRIQUE, P.; FARIA, F. C. DE. Avaliação da intensidade de amargor e do seu princípio ativo em cervejas de diferentes características e marcas comerciais Bitterness Unit and iso-alfa-acids contents of some brands of Brazilian and North American beers. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v. 28, n. 4, p. 902–906, 2008.

SOUZA, W. J. B. DE; FERNANDES, F.; FILHO; RIBEIRO, N. M.; ALMEIDA, K. V. DE; SANTOS, R. C. Avaliação físico-química de cerveja tipo pilsen. IN: 1o CONGRESSO QUÍMICO DO BRASIL, João Pessoa, Brasil, 2010.

VILELA, A. F. Estudo da adequação de critérios de boas práticas de fabricação na avaliação de fábricas de cachaça de alambique. 2005. 95 s. [Dissertação] Universidade Federal de Minas Gerais, Porto Alegre.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.