Caracterização de feridas em pacientes acamados assistidos pela Estratégia Saúde da Família

Sandra Marina Gonçalves Bezerra, Karoline Monteiro Barros, Jeane Araújo de Brito, Wesllany Sousa Santana, Elaine Cristina Carvalho Moura, Maria Helena Barros Araújo Luz

Resumo


Objetivo: Caracterizar os tipos de feridas e verificar as medidas de cuidado em pacientes acamados. Métodos: Estudo de natureza descritiva e abordagem quantitativa, realizado por meio de inquérito domiciliar com pacientes acamados em domicílio cadastrados na Estratégia Saúde da Família, localizadas na Regional Sul de Teresina, Piauí.  Resultados: Foram avaliados 41 pacientes, dos quais 68,2% eram do sexo masculino, 22 (53,6%)idosos, 25 (60,9%) com renda inferior a dois salários mínimos, 19 (28,7%) eram hipertensos, 10 (15,1%) eram diabéticos, 25 (60,9%) apresentavam feridas,principalmente úlceras por pressão 10 (40,0%). O principal motivo de estar acamado foi o pé amputado em decorrência de complicações do Diabetes Mellitus com 19,5%. Conclusão: É necessário o treinamento adequado das equipes e dos cuidadores por parte da Estratégia Saúde da Família, para melhores condutas na prevenção e no tratamento das feridas cutâneas em domicílio.


Palavras-chave


Enfermagem em Saúde Comunitária; Cicatrização de feridas; Pacientes Domiciliares;

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, N .N. L. L.; LUZ, M. H. B. Vivências de pessoas com Diabetes e amputação de membros. Rev.Bras Enf. Brasília , v.65, n.2, p.244-50. mar-abr, 2012.

BEZERRA, S. M. G. Prevalência de úlceras por pressão em pacientes acamados e cuidados dispensados em domicílio. Universidade Federal do Piauí (dissertação de mestrado). 2010.

CARVALHO, H. K. S.; MOURA, E. C. C. M. Evidências clínicas da Terapia Tópica com Ácidos Graxos Essenciais em pacientes com Úlceras por Pressão: um estudo necessário [Monografia de Conclusão de Curso]. Teresina, Piauí: Universidade Federal do Piauí; 2010. 77p.

CARVALHO, E. S.; SADIGURSKY D.; VIANA. R. O significado da ferida para as pessoas que a vivenciam. Rev Estima – v.4, n. 2, p. 26-32, 2006.

CHAYAMITI, E. M. P. C.; CALIRI, M. H. L. Úlcera por pressão em pacientes sob assistência domiciliária. Acta Paul. Enferm., São Paulo, v. 23, n. 1, 2010 . Disponível em . acessos em 11 abr. 2010. doi: 10.1590/S0103-2100201000010000

FERNANDES, N. C. S.; TORRES, G. V. Incidência e fatores de risco de úlceras por pressão em pacientes de unidade de terapia intensiva. Cienc Cuid Saúde. v. 7, n.3, p.304-10, 2008.

FRANCO D.; GONÇALVES L. F. Feridas cutâneas: a escolha do curativo adequado. Rev. Col. Bras. Cir. [online]. 69912008000300013 v.35, n.3 p. 203-206. 2008. ISSN 0100-6991. doi: 10.1590/S0100.

KLEIN C.H, BLOCH K.V. Estudos Seccionais. In: Medronho R A. et al. Epidemiologia, 2 ed. São Paulo: Athneu cap.10. p.193-219, 2009.

LACERDA, M. R.; OLINISKI S. R. A família e a enfermeira no contexto domiciliar: dois lados de uma realidade. Texto Contexto Enferm. v.12 n.3. p. 307-13. Set-Dez; 2003. Disponível em Acesso em 24 de março de 2010.

LIMA, T.C.; VARGAS, M.A.O. CUIDADO DOMICILIAR INTENSIVO: uma possível realidade do Sistema Único de Saúde? Rev Bras Enferm, Brasília (DF). v. 57 n.6, p.658-6, nov/dez; 2004.

LIMA. F. D.; LEBRÃO, M.L.; DUARTE, Y. A. O. Contribuição dos arranjos domiciliares para o suprimento de demandas assistenciais dos idosos com comprometimento funcional em São Paulo. Rev Panam Salud Publica;v.17, n.5/6, p. 370-8, 2005.

LOURO, M.; FERREIRA, M.; POVOA, P. Avaliação de protocolo de prevenção e tratamento de úlceras por pressão. Rev Bras Ter Intensiva. v.19, n.3, p. 337-41. 2007.

MORAIS, G. F. C.; OLIVEIRA, S. H. S.; SOARES, M. J. G. O. Avaliação de feridas pelos enfermeiros de instituições hospitalares da rede pública. Texto Contexto Enferm. v. 17, n. 1, pp. 98-105. janeiro-março, 2008.

NPUAP. National Pressure Ulcer Advisory Panel. [online] Atualizado úlcera por pressão. Disponível em: < http://www.npuap.org/resources/educational-and-clinical-resources/npuap-pressure-ulcer-stagescateg> Acesso em 01 de outubro de 2013.

PAULA , M. A. B. Aspectos da Assistência Domiciliar à Pessoa com Feridas. Rev Estima v.9, n.2, p.39-44, 2011.

PESSOA, E. F. R.; ROCHA, J. G. S. C.; BEZERRA, S. M. G. Prevalência de úlcera por pressão em pacientes acamados, cadastrados na Estratégia de Saúde da Família: um estudo de enfermagem. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, Teresina. v.4, n.1, p.14-18, Jan-Fev-Mar. 2011.

ROGENSKI, N. M. B.; SANTOS, V. L.C.G. Estudo sobre a incidência de úlceras por pressão em um hospital universitário. Rev. Latino-Am. Enfermagem. Ribeirão Preto, v.13 n.4 July/Aug. 2005. Disponível em: Acesso em 20 de novembro de 2010.

SOUSA, P. R. A. S.; SOUSA, M. F. S.; BARROS, I. C. BEZERRA, S. M. G.; SOUSA, J. E. R. B. S.; LUZ, M. H. B. A. Avaliação de risco de úlcera por pressão em pacientes críticos. Rev.Enf. UFPI. v.2 n.1 p.9-15 2013. Disponível em: http://www.ojs.ufpi.br/index.php/reufpi/article/view/818/pdf. Acesso em 01 de outubro de 2013.

TUYMANA, L.Y, ALVES, F. E.; FRAGOSO, M. P. V.; WATANABE, H. A. W. Feridas crônicas de membros inferiores: proposta de sistematização da assistência de enfermagem a nível ambulatorial. Nursing: rev. Técnico-cientifica enferm.: v.25 n.7, p.46-50, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Volumes Anteriores Impressos

 

INDEXADA EM: