A crítica como pressuposto de uma formação superior emancipatória: os limites da educação jurídica no Brasil diante do desenvolvimento do ensino à distancia

Lucas Abreu Barroso, Mirlir Cunha

Resumo


Uma distorcida compreensão acerca do direito e do seu papel na realidade social tem provocado importantes restrições ao desenvolvimento da sociedade brasileira. Tal se deve sobretudo ao momento histórico de crise do direito e à falta de iniciativa em busca do resgate do pensamento crítico. Mas parece inelutável que os desafios decorrentes da massificação estão a exigir do jurista uma contínua reconstituição do sentido do direito e uma necessária a firmação de suas práticas sociais democráticas. Com efeito, nada é tão urgente quanto uma educação jurídica de qualidade, em especial no intuito de assegurar nosso quinhão do mundo virtual com vistas ao compartilhamento dos saberes aqui produzidos por meio do ensino à distância.


Texto completo:

PDF

Referências


ACCA, Thiago; SCABIN, Flávia. Clínica de Direito. In: GHIRARDI, José Garcez (Org.). Métodos de ensino em direito: conceitos para um debate. São Paulo: Saraiva, 2009. p. 1-22.

CABRAL, Otávio; DINIZ, Laura. OAB Nacional é destaque na Veja. Brasília – DF: OAB. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2013.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática. 4. ed. rev. e atual. Belo Horizonte: Del Rey, 2013.

HABERMAS, Jürgen. Facticidad y validez: sobre elderecho y el Estado Democrático de Derechoen términos de teoríadel discurso. Traducción Manuel Jiménez Redondo. 6. ed. Madrid: Editorial Trotta, 2010.

LIPOVETSKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. Tradução Mário Vilela. São Paulo: Barcarolla, 2004.

MACCORMICK, Neil. H. L. A. Hart. Tradução Cláudia Santana Martins. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

NEVES, A. Castanheira. O papel do jurista no nosso tempo. In: NEVES, A. Castanheira (Org.). Digesta: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Editora, 2010a. p. 9-50.

NEVES, A. Castanheira. Direito hoje e com que sentido? O problema actual da autonomia do direito. In: NEVES, A. Castanheira (Org.). Digesta: escritos acerca do direito, do pensamento jurídico, da sua metodologia e outros. Coimbra: Coimbra Editora, 2010b. p. 43-72.

NOBRE, Marcos. Apontamentos sobre a pesquisa em direito no Brasil. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 66, p. 145-154, jul. 2003.

PRIGOGINE, Ilya. O fim das certezas: tempo, caos e as leis da natureza. Tradução Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora da Universidade Paulista, 1996.

RAWLS, Jonh. Uma teoria da justiça. Tradução Jussara Simões. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

RIBEIRO, Renato Janine. Não há pior inimigo do conhecimento que a terra firme. Tempo social, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 189-195, maio 1999.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. Porto: Edições Afrontamentos, 1995.

SHAPIRO, Scott J. Massively shared agency. Catania: Centro Studi TCRS, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.