Estado da arte, riscos do desenvolvimento e proteção do consumidor frente às incertezas contidas no porvir*

Marcos Catalan

Resumo


O presente ensaio tem como objetivo especificar o estado da arte, os riscos do desenvolvimento e a proteção do consumidor frente às incertas contidas no porvir. A velocidade com que o conhecimento é produzido, transformado e propagado e, em tal contexto, a rapidez que marca o processo de mutação do estado da arte nos mais diversos segmentos do saber, é oportuno apontar, que, raras vezes, parece ser informado pela dimensão preventiva que pulsa do direito de danos em construção no Brasil.


Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Lucas Abreu. A obrigação de indenizar e a determinação da responsabilidade civil por dano ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2006.

BENJAMIN, Antônio Herman de Vasconcellos e; MARQUES, Cláudia Lima; BESSA, Leonardo Roscoe. Manual de direito do consumidor. São Paulo: RT, 2007. p. 130.

CATALAN, Marcos. Reflexiones sobre el desarrollo tecnológico y el deber de reparar los daños ignorados en la conducción del proceso productivo. In: Cesar Moreno More (Org.). Estudios sobre la responsabilidad civil. Lima: Legales Ediciones, 2015, v. 1.

COELHO, Fábio Ulhoa. O empresário e os direitos do consumidor. São Paulo: Saraiva, 1994.

FACHIN, Luiz Edson. A construção do direito privado contemporâneo na experiência crítico-doutrinária brasileira a partir do catálogo mínimo para o direito civil-constitucional no Brasil. In TEPEDINO, Gustavo (Org.). Direito civil contemporâneo: novos paradigmas à luz da legalidade constitucional. São Paulo: Atlas, 2008.

FARIA, José Eduardo. A justiça e a formação da magistratura. Nomos, Fortaleza, v. 7/8, n. 2, p. 65-75, jan./dez. 1988/1989. p. 66

JOSSERAND, Louis. Evolução da responsabilidade civil. Revista Forense, Rio de Janeiro, n. 86, p. 52-63, jun. 1941. p. 61.

RIBEIRO, Darci Guimarães. Da tutela jurisdicional às formas de tutela. Porto Alegre: LAEL, 2010. p. 227.

MASI, Domenico de. A sociedade pós-industrial. In MASI, Domenico de. A sociedade pós-industrial. 4. ed. Trad. Anna Maria Capovilla et al. São Paulo: Senac, 2003.

MENDES, Felismina. Risco: um conceito do passado que colonizou o presente. Revista Portuguesa de Saúde Pública, Lisboa, v. 20, n. 2, p. 53-62, jul./dez. 2002.

ROCHA, Sílvio Luís Ferreira da. Responsabilidade civil do fornecedor pelo fato do produto no direito brasileiro. São Paulo: RT, 1992.

ROSAS, Cristian Patricio. Daños derivados de actividades riesgosas. In: GHERSI, Carlos Alberto (Dir.). Responsabilidad: problemática moderna. Mendoza: Ediciones Jurídicas Cuyo, 1996. p. 40.

SEGUÍ, Adela Maria. Aspectos relevantes de laresponsabilidad civil moderna. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, v. 13, n. 52, p. 267-318, out./dez. 2004. p. 278-279.

SILVA FILHO, José Carlos Moreira da. Pessoa humana e boa-fé objetiva nas relações contratuais: a alteridade que emerge da ipseidade. In: SILVA FILHO, José Carlos Moreira da; PEZZELLA, Maria Cristina Cereser (Coord.). Mitos e rupturas no direito civil contemporâneo. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.

WARAT, Luis Alberto. Introdução geral ao direito: a epistemologia jurídica da modernidade. Porto Alegre: SAFE, 2002, v. 2. p. 358.

WEINGARTEN, Celia. La equidad como principio de seguridad económica para los contratantes. Revista de Direito do Consumidor, São Paulo, v. 10, n. 39, p. 32-40, jul./set. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.