Reflexões acerca do filme narradores de javé como recurso didático no ensino dos direitos culturais

Cibele Alexandre Uchoa, Maria Darlene Braga Araujo, Vanessa Batista Oliveira

Resumo


O presente artigo tece reflexões acerca do filme "Narradores de Javé" como recurso didático para o ensino dos Direitos Culturais, observando a interlocução entre os conteúdos a serem estudados e como o filme os aborda, mormente no que se refere às temáticas da memória e identidade coletivas, história e memória oral, patrimônio cultural e educação patrimonial; bem como a importância da participação social à efetivação desses direitos, buscando, a partir disso, encetar questionamentos que promovam a reflexão e preocupação referente à memória coletiva dos sujeitos envolvidos no processo educativo. Para que seja possível realizar tais reflexões, é importante que anteriormente se possa compreender a utilização de filmes no processo ensino-aprendizado, considerando para isso a realidade do ensino jurídico; e o que são Direitos Culturais e sua importância social. A partir disso, pode-se fazer um paralelo com parte de seu conteúdo e as temáticas abordadas no filme, além de proporcionar uma percepção dos benefícios e frutos dessa metodologia e a modificação da percepção dos sujeitos frente aos Direitos Culturais que lhes são inerentes.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUU JO, Inacio. Prefaa cio. In: COSTA, Antonio. Compreender o Cinema. Rio de Janeiro: Globo, 1987.

AUGEÉ, Marc. Não-lugares: Introdução a uma antropologia da supermodernidade. Traduzido por Maria Lucia Pereira. 9. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

AUGEÉ, Marc. Retour sur les ‹‹non-lieux››: Les transformations du paysage urbain. In: Communications, 87, 2010. Autour du lieu. Numéro dirigé par Aline Brochot et Martin de la

Soudiere. p. 171-178.

BAUMAN, Zygmunt. Vida liiquida. Traduzido por Carlos Alberto Medeiros. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União, 5 de outubro de 1988. Disponível

em: . Acesso

em: 15 set. 2016.

CUNHA FILHO, Francisco Humberto. Cultura e democracia na Constituição Federal de 1988: representação de interesses e sua aplicação ao Programa Nacional de Apoio a Cultura. 2004. 233 f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Direito), Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2004.

CUNHA FILHO, Francisco Humberto. Direitos culturais como direitos fundamentais no ordenamento jurídico brasileiro. Brasília: Brasília Jurídica, 2000.

CUSTODIO, Luiz Antonio Bolcato. Educação patrimonial: experiências. In: BARRETO, Eudes Arrais et. al. (Org.). Patrimônio Cultural e Educação: artigos e resultados. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2008, p. 23-36.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HOBSBAWM, Eric. A era dos extremos: o breve século XX (1914-1999). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

INSTITUTO DO PATRIMONIO HISTORICO E ARTISTICO NACIONAL – IPHAN. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. IPHAN, 2014. Disponível em:

. Acesso

em: 30 set. 2016.

LE GOFF, Jacques. Historia e memória. Traduzido por Bernardo Leitão et al. 3. ed. Campinas, SP: UNICAMP, 1994.

CAFFE, Eliane (Direção). Narradores de Jave. Rio de Janeiro: Estúdio: Bananeira Filmes/Gullane Filmes/Laterit Productions. Distribuição: Rio filme, 2003. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2016.

NORA, Pierre. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Traduzido por Yara Aun Khoury. Projeto História – Revista do Programa de Estudos Pós-graduados de Historia, São Paulo, SP – Brasil, n. 10, p. 7-28, jul./dez. 1993.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos históricos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

VELAA ZQUEZ, Carlos. Mas afinal, o que estética?: por uma redescoberta da educação o sensível. São Paulo: Chiado Editora, 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.